Itamar pode apoiar Temer para presidente do PMDB

O governador de Minas Gerais, Itamar Franco, deverá se encontrar com o deputado Michel Temer na terça-feira para discutir a possibilidade de um acordo em torno do nome do futuro presidente do PMDB. Itamar desistiu hoje de concorrer ao cargo e as principais lideranças do partido trabalham para que ele apóie a candidatura de Michel Temer. O líder do governo no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que está tentando evitar que haja uma disputa para o comando partidário, como também para a escolha do candidato à presidência da República.Para Calheiros, o importante seria um acordo entre Itamar e o senador Pedro Simon, que já apresentou seu nome para disputar a sucessão presidencial. "Qualquer disputa fragmenta o partido. A quem interessa o PMDB fragmentado?", questionou o senador, que tem a convicção de que o espaço de convergência está sendo ampliado, sobretudo depois que Itamar Franco retirou sua candidatura para a presidência do partido. "Se o acordo com Temer der certo seria melhor, mas outros nomes poderão surgir", afirmou Calheiros, citando como exemplo o nome do senador José Sarney.Depois de ler na tribuna do Senado a carta na qual o governador de Minas Gerais, Itamar Franco, retirou hoje sua candidatura à presidência do partido, o presidente do PMDB, senador Maguito Vilela (GO), afirmou esperar que o deputado Michel Temer (SP), que representa a ala governista do PMDB, também recue da intenção de se candidatar.Vilela evitou dar nomes ao pedir que o partido não aceite ingerências externas na indicação de candidatos ao cargo, mas admitiu que Temer poderia ser um candidato indicado pelo Palácio do Planalto. "Eu não diria isso, mas ele sempre foi ligado ao governo", afirmou Vilela. Ele acredita que o nome de Itamar fica fortalecido para a sua candidatura à presidência da República.Com relação a quem poderá ser candidato a presidente do partido, além do senador Pedro Simon, Maguito evitou fazer comentários, afirmando que há mais de dez nomes em condições de pleitear o cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.