Itamar critica hegemonia paulista e defende nome de Alencar

O ex-governador de Minas Gerais, Itamar Franco (PMDB), defendeu hoje a quebra do monopólio dos políticos paulistas e disse que iria apoiar a candidatura do vice-presidente e ministro da Defesa, José Alencar, à Presidência. Itamar disse que o Brasil não pode viver com apenas um Estado (referindo-se a São Paulo) dominando política e economicamente o País.Na avaliação de Itamar, essa configuração provoca um desequilíbrio na Federação. "Alencar é um dos grandes nomes de Minas e poderia ser um candidato. Por que não?", questionou o ex-governador. Depois que deixou o PL, partido da base do governo, o vice-presidente filiou-se, em setembro do ano passado, ao Partido Municipalista Renovador (PMR), que hoje chama-se Partido Republicano Brasileiro (PRB).Em palestra do seminário "O Ano de 2006 e o Mercado Futuro", promovido pela Sociedade Mineira dos Engenheiros (SME), Itamar considerou que o cenário político brasileiro tornou-se imprevisível. Ele disse que, sem a definição sobre a regra de verticalização, é muito difícil prever quais serão as coligações partidárias até outubro. "É preciso que o Congresso defina essa regra porque já está atrasado, uma vez que a aprovação dessa medida teria que ser feita até setembro".O ex-governador considerou ainda que, mesmo com a definição tardia, há o risco de que os políticos recorram aos tribunais eleitorais, alegando que essas regras de formação de coligações teriam que ser determinadas no período de até um ano antes das eleições.Na palestra, Itamar criticou o fraco desempenho da economia brasileira, em comparação com outros países do mundo, e reiterou que a média, de 2,5%, é insuficiente para o País. Ele defendeu que a taxa de juros tenha que cair mais drasticamente e isso só se dará por uma ação política.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.