Itamar critica ação de FHC contra CPI

O governador de Minas Gerais, Itamar Franco (PMDB), criticou o presidente Fernando Henrique Cardoso pelas articulações para impedir a criação da CPI da corrupção. "Nunca vi, na história contemporânea brasileira, um presidente da República tamponar o Congresso Nacional, impedindo a CPI", disse Franco, antes de participar, como convidado, de uma sessão da Câmara dos Vereadores. Franco lembrou que nem o presidente Ernesto Geisel, durante o regime militar, impediu a CPI do programa nuclear. "O presidente Geisel tinha uma grande consideração pelo programa nuclear, mas o Congresso Nacional constituiu uma CPI, que levou mais de dois anos", afirmou. "A CPI era séria, rasgou o velcro de mistério que cercava as usinas nucleares. É inusitada esta ação do presidente da República", disse o governador. Itamar Franco foi seco ao comentar a licença do senador Jader Barbalho (PA) da presidência do PMDB: "Já vai tarde". Depois, o governador amenizou o tom. "Mas não é nesse sentido que vocês estão pensando", disse aos jornalistas. "Ele está contrariando o estatuto do partido ao acumular a presidência do PMDB com a presidência do Senado", justificou-se. Pela manhã, Itamar recebeu o apoio de integrantes da Executiva do PMDB fluminense a sua candidatura à Presidência da República ano que vem. Segundo o secretário-geral do diretório regional do PMDB, deputado estadual Jorge Picciani, a maioria do partido no Estado defende o nome do governador de Minas para 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.