Itamar ameaça desistir de participar das prévias

O governador de Minas Gerais, Itamar Franco, disse hoje, em reunião com dirigentes do PMDB, que vai agir "politicamente" se amanhã a executiva nacional do partido fixar em no máximo 6.000 eleitores o colégio eleitoral que vai escolher o candidato do PMDB à sucessão presidencial, nas prévias marcadas para 20 de janeiro. Segundo relato de senadores presentes à reunião de hoje de Itamar com dirigentes do partido na residência do presidente do Senado, Ramez Tebet (MS), uma das opções de Itamar seria a desistência de disputar a indicação nas prévias. No encontro, o governador assegurou que não vai recorrer da decisão da executiva, caso prevaleça a proposta do presidente do partido, Michel Temer (SP), de reduzir o colégio eleitoral para um universo entre 5.000 e 6.000 votantes. Em sua exposição na reunião de hoje, Temer alegou dificuldades operacionais, inclusive na fiscalização, para realização de uma prévia com 100 mil pessoas, como deseja Itamar. Temer fez um apelo em nome da unidade do partido, deixando claro que não pretende uma divisão irreversível sob seu comando. Ele citou o caso do PT, que teve problemas de fiscalização e apuração do resultado das prévias que realizou meses atrás, para renovação do comando do partido. O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que também participou da reunião com Itamar, disse que vai trabalhar para ampliar o colégio eleitoral, manifestando-se favorável à tese do governador mineiro. "No Senado, a tese da amplitude é mais forte. Vou brigar por isso na executiva", disse Renan. O senador Pedro Simon (RS), pré-candidato à indicação, outro participante do encontro, defendeu um colégio eleitoral amplo mas, ao mesmo tempo, afirmou que o tamanho do número de votantes não vai alterar o resultado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.