Italianos lamentam recusa do STF em extraditar Battisti

Familiares de vítimas dos 'anos de chumbo' criticam a decisão de Lula referendada pela principal corte brasileira

Agência Estado

09 de junho de 2011 | 07h55

Familiares de vítimas dos "anos de chumbo" na Itália lamentaram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de permitir a permanência de Cesare Battisti no Brasil. Mas, a despeito do parecer da Justiça ter sido determinante, as maiores críticas foram voltadas ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que concedeu o refúgio político ao ex-guerrilheiro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), condenado à prisão perpétua pelas cortes italianas.

As críticas foram feitas à reportagem por dois dos mais atuantes familiares de vítimas dos anos de chumbo: o físico Giovanni Bachelet, 56 anos, deputado do Partido Democrático, e a ex-deputada e ex-senadora Sabina Rossa, 48. Giovanni é filho de Vittorio Bachelet, jurista e membro da Aliança Católica, assassinado em 1980 pelas Brigadas Vermelhas, outro grupo armado da esquerda radical italiana.

Bachelet não questiona a decisão do STF, mas a determinação de Lula em manter Battisti no Brasil. "Sou de uma família de juristas e compreendo bem que o que estava em jogo era uma questão legal. As decisões judiciais foram no bom sentido. Já as do governo Lula, não." Para ele, o governo brasileiro não entendeu que a extradição seria para a Itália um ato de Justiça, não de revanche.

Também conformada, Sabina Rossa, filha do sindicalista Guido Rossa, executado pelas Brigadas Vermelhas em 1979, lembrou que o Executivo e o Legislativo italiano fizeram tudo o que estava ao alcance para obter a extradição. "A justa conclusão seria a extradição e a prisão de Battisti em nosso país, já que há uma condenação na Itália, um país democrático", reiterou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.