Itália proíbe fumo em local público

Itália adotou normas que reduzem o fumo em lugares públicos. A nova lei deverá entrar em vigor dentro de um ano. No país, há cerca de 13 milhões de fumantes. Nem os repetidos aumentos de impostos ao cigarro, nem as campanhas publicitárias promovidas pela Saúde Pública, conseguem reduzir esse número. O cigarro provoca, na Itália, em torno de 90 mil mortes por ano, não só entre fumantes, mas também entre as vítimas do "fumo passivo". A legislação é clara: não se pode fumar mais em escritórios públicos nem privados, cinemas, teatros, discotecas, quartéis, tribunais de Justiça, bibliotecas públicas, museus, escolas e universidades. Também estará proibido o cigarro no metrô, aeroporto, restaurantes e shoppings. Em resumo, não haverá lugar público em que se possa fumar sem correr o risco de pagar uma multa que vai oscilar entre 25 e 250 euros, cifras que podem se duplicar no caso de o transgressor for pego próximo a uma mulher grávida ou a uma criança com menos de 12 anos. Os empresários que não respeitarem a norma em suas lojas ou empresas pagarão, pelo desacato, multas entre 200 e 2.000 euros. A lei não deverá entrar em vigor antes de janeiro de 2004, mas a norma já foi recebida com duras críticas pelos fumantes, que se negam a renunciar ao cigarro ou charuto. Assim que a lei foi aprovada, o ministro para as Políticas Comunitárias da Itália, Rocco Buttiglione, disse que não fará "um drama", mas continuará fumando seus charutos. Ele assegurou que não fumará onde for proibido, mas exige para os fumantes "o mesmo respeito que estes têm aos que não fumam".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.