Itagiba também quer citar banqueiro na CPI

No dia em que a Polícia Federal (PF) indiciou o banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity, por seis crimes financeiros, o presidente da CPI dos Grampos, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), confirmou que também vai propor o indiciamento do empresário, desta vez por grampos ilegais na disputa societária com a Telecom Itália.Na reta final - a CPI está prevista para terminar amanhã com a votação do relatório final -, Itagiba vai apresentar um voto em separado para incluir não apenas a proposta de indiciamento de Dantas, mas também a do delegado Protógenes Queiroz, a do ex-diretor da PF e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda e a do ex-diretor-adjunto da Abin José Milton Campana. No caso do três, segundo Itagiba, o pedido de indiciamento é por falso testemunho. "Eles faltaram com a verdade ao depor na comissão e a investigação e os fatos nos mostraram isso", anotou Itagiba.O voto em separado foi motivado pela ausência dos pedidos de indiciamentos no relatório oficial da CPI, apresentado pelo relator da comissão, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), na semana passada. Em 394 páginas, ele propôs o indiciamento de apenas quatro personagens periféricos, deixando de fora os principais investigados. Para excluir Protógenes e Dantas, Pellegrino argumentou não ver sentido "em indiciar quem já estava indiciado", numa referência ao fato de Protógenes e Dantas já estarem respondendo criminalmente por seus atos. Em relação à Lacerda, o deputado governista ponderou que o ex-diretor da Abin "corrigiu por escrito" a primeira versão do depoimento, o que, portanto, não caracterizava falso testemunho. Pellegrino negou pressão do Palácio do Planalto para finalizar o texto.Além do voto em separado de Itagiba, deputados do PSDB e do PPS também definem o teor do voto conjunto que vão apresentar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.