Itagiba quer investigar compras de equipamentos militares

Deputado vai começar a recolher assinaturas para a formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito

Wilson Tosta, O Estado de S.Paulo,

11 de setembro de 2009 | 13h23

O deputado federal Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) anunciou, nesta sexta-feira (11), que vai começar a recolher assinaturas para a formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as recentes compras de equipamentos militares, fechadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente francês, Nicolas Sarkozy. O parlamentar afirmou querer saber quem são os brokers (intermediários) da operação e pretende apurar se um integrante do Ministério da Defesa ficou hospedado na casa de um dos fornecedores do armamento, durante visita à França. Essas são, de acordo com o deputado - delegado da Polícia Federal e ex-secretário de Segurança do Rio - informações que têm chegado a seu gabinete e cuja veracidade pretende checar.

 

Veja Também

linkFrança diz que venda dos Rafale ainda não é certa

linkCompra de 36 Rafale deve ser concluída em até nove meses

linkJobim diz que decisão sobre caças não está concluída

 

"Estamos falando de bilhões de dólares", disse Itagiba. "E para gastar bilhões de dólares, precisa justificar. E também dizer o porquê da escolha. Não houve licitação." Pelos acordos assinados, o Brasil comprará da França quatro submarinos convencionais Scorpène, um casco para o submarino nuclear, um estaleiro para construí-los, uma nova base para operá-los, peças sobressalentes, armamentos (como torpedos), softwares e 50 helicópteros. Os dois países também abriram negociações para a compra, pelos brasileiros, de 36 aviões de caça Rafale, fabricados pela empresa francesa Dassault. Ao todo, os negócios militares Brasil-França preveem um gasto, nos próximos 20 anos, a cifras de hoje, de 12,5 bilhões de euros - R$ 32,7 bilhões.

 

Itagiba afirmou ter informações que identificam os corretores pelos nomes de José Pinto Ramos, Braga e Roberto - este, supostamente, advogado em São Paulo. O deputado reconheceu não conhecer irregularidades no caso. "É isso que quero saber", declarou. O parlamentar também considerou estranho que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, "desautorizasse" o presidente Lula, dizendo, no dia seguinte ao anúncio do fechamento do negócio dos Rafale, afirmando que as negociações ainda estavam abertas. "Hoje (sexta-feira), os jornais dizem que o caça está escolhido politicamente, não tecnicamente", declarou. "Isso está o samba do crioulo doido."

 

Para constituir uma CPI na Câmara, é necessário ter, no mínimo, 171 assinaturas de apoio. Itagiba disse não ter "bola de cristal" para prever quando conseguirá o número de apoios necessários. "Mas que isso está um escândalo, está", disse. As compras militares brasileiras têm sido objeto de intensa disputa entre possíveis fornecedores. Entre os insatisfeitos, estão a empresa alemã HDW, que oferecera a construção de submarinos convencionais, e a Boeing, fabricante americana dos caças Super Hornet. O governo brasileiro alega que os alemães não constroem submarinos nucleares e afirmam que os EUA não abrem totalmente os códigos-fonte das aeronaves, que permitiriam que os aviões fossem equipados com armamento não-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
caçasRafaleDefesaMarcelo ItagibaCPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.