Imagem João Bosco Rabello
Colunista
João Bosco Rabello
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Isolamento e tutela

O clima de entendimento verificado na votação do veto presidencial ao reajuste da tabela do Imposto de Renda, que evitou outra derrota anunciada para a presidente Dilma Rousseff, já foi reflexo da mudança na articulação do governo, ampliada para esfriar a temperatura política.

JOÃO BOSCO RABELLO, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2015 | 02h02

Na prática, revogou-se os mandatos de negociadores dos chamados ministros palacianos, aqueles que têm assento em salas vizinhas à da presidente - Aloizio Mercadante (Casa Civil), Pepe Vargas (Relações Institucionais) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), todos do PT, como queria o ex-presidente Lula.

O movimento procurou preservar esses ministros caracterizando-se como uma ampliação da equipe de articulação. Mercadante, na versão atribuída a Lula, deveria ficar apenas como gestor interno, a exemplo de Dilma no mesmo posto, no governo Lula.

Entraram em campo os ministros Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia), Eliseu Padilha (Aviação Civil) e Gilberto Kassab (Cidades), do PC do B, PMDB e PSD, respectivamente, reforçados por dois outros petistas que já tinham ação paralela - Jacques Wagner (Defesa) e Ricardo Berzoini (Comunicações).

Não por acaso, o desenho idealizado pelo ex-presidente. Rebelo já fora seu articulador político, Padilha, do governo Fernando Henrique, e Kassab já exercia a defesa de Dilma desde seu primeiro mandato. Todos atuaram intensamente na sessão que evitou a derrubada do veto presidencial à tabela do IR.

A ação se mostrou eficaz por trabalhar na linha de separação da crise econômica e da política. E seu êxito pontual indica compreensão de que, sem o ajuste fiscal, a crise se avoluma e enreda todos no mesmo tsunami.

Dada a teimosia ou a insuficiência da presidente para o exercício da negociação e sua resistência em admiti-las, esse pequeno avanço obtido ganha ares de tutela imposta pelas circunstâncias.

De um lado, o ministro da Fazenda tem o comando da economia, embora sob o constrangimento da presidente; de outro, a política exercida por um triunvirato que ela não escolheu, mas que conquistou seu próprio espaço.

O pano de fundo é a dinâmica própria que o movimento pelo impeachment ganhou, à revelia dos partidos, o que inclui a oposição. Ninguém quer esse desfecho, mas todos temem que ele tenha vida própria se permanecerem o isolamento e a desorientação presidencial diante da crise conjugada da economia e da política.

Já o PT morreu mais um pouco depois do depoimento do ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.