Isolado, PT apela à militância para apoiar proposta de plebiscito

Mensagem enviada por Dilma ao Congresso nesta terça-feira, 2, foi alvo de críticas até de aliados

Erich Decat , Broadcast Político

03 de julho de 2013 | 17h44

O presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), fez nesta quarta-feira, 3, um apelo à militância do partido para que dê "toda a força" ao plebiscito sugerido pela presidente Dilma Rousseff sobre a reforma política. Dilma enviou nesta terça-feira, 2, ao Congresso mensagem com cinco temas propostos para a consulta pública. O texto foi alvo de críticas até de aliados.

Os temas propostos pela presidente são: financiamento público de campanha; sistema eleitoral (proporcional, distrital puro ou misto; voto majoritário para a eleição de parlamentares e voto em lista fechada ou flexível); fim dos suplentes de senadores; manutenção de coligações partidárias para a eleição de deputados e vereadores, e fim ou não do voto secreto no parlamento. 

"Quero conclamar toda a nossa militância a apoiar o plebiscito proposto pela presidente da República", afirmou Falcão. A convocação dos petistas foi feita por meio de um vídeo divulgado nesta quarta-feira na página da legenda na internet.

"Além dos pactos que ela já encaminhou para a sociedade para melhorar a saúde, educação e, principalmente, transporte das cidades, ela quer agora ouvir a população. Sensível à chamada voz das ruas, ela escutou as demandas que vinham da população e agora ela sugere o Congresso Nacional que ouça o povo na rua e a maneira de ouvir as pessoas nas ruas é fazer o plebiscito da reforma política", disse.

No vídeo, ele também afirmou que a bancada apoia por unanimidade a proposta. De acordo com o que apurou o Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, apesar das declarações em público, não há consenso dentro da bancada sobre os itens propostos por Dilma.

A insatisfação por parte dos deputados foi exposta nesta quarta em reunião da bancada que durou mais de 3 horas. Entre os itens questionados, está a eliminação da suplência dos senadores e o fim do voto secreto, temas que consideram da alçada "exclusiva" dos parlamentares. Além de uma divisão dentro da sigla, aliados como PMDB, PSB, PP também se posicionaram contra a proposta da presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaplebiscitoFalcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.