Irregularidades provocaram demissão de 289 servidores

Em 2010, o governo federal já demitiu 289 funcionários públicos federais, cassou 30 aposentadorias e destituiu outros 35 servidores de cargos em comissão. Ao todo, entre janeiro e setembro deste ano, 354 servidores públicos federais foram alvo de punições administrativas por terem apresentado envolvimento em diversos tipos de irregularidade, como recebimento de propina e improbidade administrativa. A informação foi divulgada hoje pela Controladoria-Geral da União (CGU). O balanço considera os estatutários do Poder Executivo Federal, ou seja, submetidos ao Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Federais (Lei 8.112/90).

AYR ALISKI, Agência Estado

06 de outubro de 2010 | 19h27

A maior parte dos servidores expulsos este ano é oriunda do Ministério da Previdência Social (MPS), com 142 casos. Em segundo lugar no ranking de expulsões ficou o Ministério da Educação, com 62 expulsões, e, em terceiro, o Ministério da Justiça, com 36. Geograficamente, a maioria das expulsões registradas nos nove primeiros meses deste ano ocorreu no Rio de Janeiro (77 casos). O Distrito Federal (39) e São Paulo (32) aparecem em seguida.

De janeiro a setembro deste ano, os principais fatores que promoveram a aplicação das punições foram valimento indevido de cargo (34,35%), improbidade administrativa (12,86%), abandono de cargo (9,64%), recebimento de propina (3,55%) e desídia (2,71%), que é o desleixo no trabalho, com problemas como pouca produção, atrasos frequentes e faltas injustificadas ao serviço.

Nos nove primeiros meses do ano passado, a CGU havia registrado 308 situações de expulsões de servidores públicos federais, quantidade que atingiu um total de 429 punições administrativas quando encerrados todos os 12 meses de 2009. Desde 2003, ou seja, durante o governo Lula, a CGU registra um total de 2.752 punições a servidores públicos, incluindo 2.358 demissões.

Tudo o que sabemos sobre:
irregularidadesservidoresdemissãoCGU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.