Irmãs de sobrevivente de chacina são barradas em Genebra

Irmãs de Wagner dos Santos, sobrevivente da chacina da Candelária, Patrícia de Oliveira e Sônia Santos foram impedidas pelas autoridades suíças de desembarcar em Genebra, na quarta-feira, e deportadas para o Brasil. De acordo com Cristina Leonardo, advogada de Santos, que vive na Suíça, elas foram vítimas de preconceito e discriminação racial. A advogada preside a organização não-governamental Centro de Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes.As duas desembarcaram na noite de quinta-feira no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio, e contaram o que ocorreu. Segundo as irmãs de Santos, elas foram detidas na alfândega do aeroporto suíço e passaram a noite presas em uma cela, onde não tinham direito sequer a beber água. A polícia suíça alegou que as brasileiras levavam pouco dinheiro, e suspeitaram que o objetivo delas na Suíça fosse prostituição."Minha irmã pediu para se comunicar com o consulado brasileiro e eles disseram não ser possível", afirmou Sônia, que junto com Patrícia pretendia se encontrar com o irmão, radicado na Suíça há seis anos. Ele é um dos sobreviventes da chacina da Candelária, na qual oito meninos de rua foram assassinados a tiros, em julho de 1993. Santos é testemunha-chave do crime, pelo qual policiais militares são acusados.

Agencia Estado,

23 de novembro de 2001 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.