Irmãos duelam em família e na política

Eles apóiam candidatos oponentes

Brás Henrique, RIBEIRÃO PRETO, O Estadao de S.Paulo

19 de setembro de 2008 | 00h00

A eleição em Patrocínio Paulista, cidade de cerca de 12 mil habitantes na região de Ribeirão Preto, terá uma disputa à parte neste ano, não só entre os três candidatos a prefeito. Dois irmãos travam um duelo particular. Henrique Lopes (PMDB) já foi prefeito duas vezes e coordena a campanha da mulher, Valéria de Figueiredo Lopes (PPS). João Carlos Lopes (DEM), o João Pampa, além de candidato a vereador pela primeira vez, coordena a campanha de José Milton Faleiros (PR). A família tem boa convivência, mas há cerca de dez anos ambos nem se falam. O motivo não foi político, mas relacionado a negócios: a dissolução da sociedade de uma lotérica, em Ribeirão Preto."Cada um joga do seu lado", diz Henrique, apostando que sua mulher, "melhor preparada", vai ganhar. Para ele, o principal adversário dela é o prefeito, José Mauro Barcellos (PT). Henrique alega que o desentendimento com o irmão é pessoal. "A gente não combina, não conversa e pronto", comenta ele. "Não há outro problema, pois a filha dele não sai lá de casa e o genro dele mora comigo em São Paulo", diz Henrique, que trabalha na Secretaria de Serviços da Prefeitura de São Paulo desde fevereiro de 2007.Em sua primeira eleição, em 1992, Henrique teve João Carlos como coordenador de campanha. Em 2000, na segunda eleição, o atrito já havia ocorrido. Em 2004, Henrique perdeu a disputa para Barcellos, que tinha João Carlos como apoiador. "Apoiei, mas ele (Barcellos) não fez o que prometeu", afirma João. Apesar do afastamento do irmão, faz um elogio: "O Faleiros e o Henrique foram os melhores prefeitos de Patrocínio Paulista". E acrescenta: "Temos uma desavença, mas há respeito". João Carlos já trabalhou para lados opostos, até contra Faleiros, o aliado de hoje, mas mantém o lastro político, iniciado com o bisavô José Salomé de Andrade, prefeito da cidade no início do século passado, e pelo pai Inocêncio, vereador duas vezes. Está otimista em ser eleito vereador e demonstra empenho em querer eleger o prefeito. Ainda sobre a rivalidade com o irmão, é diplomático: "A democracia dá esse direito, por isso é boa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.