Reprodução
Reprodução

Irmão de Garotinho ganha vaga na Câmara

Nelson Nahim Mateus de Oliveira (PSD-RJ) tomou posse no lugar de Índio da Costa, que se licenciou para ocupar uma secretaria na prefeitura do Rio; novo deputado foi preso em junho sob a acusação de participar de rede de exploração sexual de crianças e adolescentes, o que nega

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2017 | 23h30

Correções: 06/01/2017 | 13h13

BRASÍLIA - Nelson Nahim Mateus de Oliveira (PSD-RJ), irmão do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, tomou posse nesta quinta-feira, 5, na Câmara como deputado federal. Oliveira era suplente parlamentar e assumiu o mandato no lugar de Indio da Costa, também do PSD fluminense, que se licenciou para ocupar um cargo na prefeitura do Rio. Ele assumiu a Secretaria de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação. 

Prisão. O novo deputado foi preso em junho do ano passado em uma ação da Polícia Civil e do Ministério Público sob a acusação de participar de uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes, em Campos de Goytacazes, cidade do norte fluminense. Ao todo, 12 pessoas foram presas como resultado da investigação do Ministério Público. Na época da prisão, Oliveira negou envolvimento no crime. Ele foi solto em outubro passado após habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Após as eleições municipais, até o momento, 19 deputados renunciaram ao mandato para assumir o cargo de prefeito ou vice. Três parlamentares se licenciaram para trabalhar como secretários municipais.

'Afastado'. Em nota enviada à reportagem após a publicação deste texto, a assessoria de Anthony Garotinho afirma que o ex-governador "há seis anos, está afastado do seu irmão" e que "não mantém relações políticas" com ele.  O texto destaca ainda que Garotinho "repudia o crime de pedofilia cometido por qualquer pessoa".

Correções
06/01/2017 | 13h13

Atualizado para incluir nota do ex-governador Anthony Garotinho, irmão de Nelson Nahim Mateus de Oliveira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.