Irmã de Aécio reitera pedido de liberdade após denúncia ser oferecida

Defesa alega que Andrea Neves poderia estar em liberdade provisória com medidas cautelares

Julia Lindner e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2017 | 17h14

BRASÍLIA - A defesa de Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) apresentou nesta quarta-feira, 7, um novo pedido de liberdade ao Supremo Tribunal Federal (STF) sob a alegação de que não haveria motivos para mantê-la presa.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) aponta que Andrea teria pedido, em reunião com o delator Joesley Batista, do Grupo J&F, R$ 2 milhões em nome do irmão, como uma ajuda para fazer pagamento à defesa de Aécio no Supremo. O relator do caso é o ministo Marco Aurélio Mello, após redistribuição aceita pelo ministro Edson Fachin, que abriu a investigação.

A defesa afirma que esta é a única suspeita que pesa contra ela. "Não há imputação de nenhuma outra conduta contra a requerente, o que afasta a suposição de que, de sua parte, pudesse haver 'reiteração delituosa'", diz advogado Marcelo Leonardo, que representa a irmã de Aécio.

"É possível e recomendável a substituição da prisão da requerente Andrea Neves por liberdade provisória com medidas cautelares alternativas à prisão", diz a defesa.

O advogado critica também o Ministério Público Federal, que, segundo ele, está demorando para apresentar parecer sobre o pedido feito pela defesa para revogação da prisão.

"Apesar da vista ao PGR (procurador-geral da República) para contraminuta de agravo ter sido ordenada, 'com urgência', desde 01/06/2017, até hoje, 07/06/2017, não houve manifestação do Ministério Público, estando a Requerente presa há mais de 20 (vinte) dias", diz a defesa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.