Ipea critica "foco" da política social

Uma "grande farmácia", com remédio para tudo, mas à qual os verdadeiros doentes têm pouco acesso. Assim o diretor de Estudos Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Ricardo Paes de Barros, define a política social brasileira. Trata-se, segundo ele, de um problema de "foco" e não de verbas. "Temos dinheiro para erradicar ou diminuir dramaticamente a pobreza. Mas gasta-se muito com a classe média e pouco com os verdadeiros pobres", analisa. Segundo Barros, o gasto anual com projetos sociais fica entre R$ 130 bilhões e R$ 150 bilhões por ano, 15% do PIB nacional, quantia que ele considera mais do que o suficiente para resolver boa parte dos problemas da população pobre do País. Ele avalia que R$ 5 bilhões por ano, ou 5% do PIB, seriam o bastante para retirar 20 milhões de pessoas da situação de miséria absoluta. "Eticamente, economicamente e politicamente, é inadmissível que existam pessoas passando fome", afirma ele, que participou do seminário Eficiência em Gestão de Programas Sociais, promovido pelo instituto. Mas nem tudo é tão simples. Barros alerta para o fato de que, junto com o investimento anual de R$ 5 bilhões, seria necessário desenvolver um "super sistema de focalização". Trocando em miúdos: não basta identificar quem são os pobres, mas determinar o quanto cada um deles é pobre. "É claro que quando se fala em 20 milhões de pessoas, os custos administrativos crescem muito". É exatamente na avaliação do impacto das políticas sociais que reside a grande lacuna brasileira, aponta Barros. "Fomos à Costa Rica e Colômbia para estudar o sistema deles. Temos vários trabalhos mostrando isso. Acho até que nesse governo se fala mais sobre o assunto", diz, revelando que o ministro da Fazenda, Pedro Malan "faz essa cobrança o tempo todo". Para Barros, o problema não é do governo Fernando Henrique Cardoso, mas da própria sociedade brasileira. "Não podemos apenas dizer gastamos, temos que dizer mudamos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.