Investimentos poderão ter corte de 25% com atraso da CPMF

O ministro do Planejamento, Martus Tavares, disse hoje que o atraso na votação da CPMF poderá provocar um corte de até 25% dos investimentos de R$ 6 bilhões previstos no Orçamento da União para este ano. Segundo ele, a demora na votação já causou uma perda potencial de receita de R$ 1 bilhão. De acordo com o ministro, a cada semana de atraso na votação, o governo deixa de arrecadar R$ 400 milhões.Ele afirmou que há a possibilidade, em tese, de o governo aumentar impostos. "Mas é muito difícil aumentar impostos durante o ano de exercício. Por isso, é mais provável haver um corte de despesa", disse. O ministro afirmou que o governo fará o possível para não cortar despesas na área social.De acordo com ele, a previsão do governo era promulgar a prorrogação da CPMF em 18 de março. Agora, esta promulgação só deverá ocorrer em 18 de abril. Martus disse que o governo está colocando todos os esforços na aprovação do projeto, e quando isso tiver realmente ocorrido, será feita a estimativa da frustração de receita.Aí decidirá o que fazer: aumentar impostos, cortar despesas ou uma combinação destas duas opções. Segundo ele, na última revisão do Orçamento em fevereiro, a estimativa para o crescimento do PIB para este ano era de 2,4%. Agora, prevê-se um aumento de 2,5%. "O nível de atividade pode influir favoravelmente na arrecadação", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.