Investimentos dão 'voz ao cidadão', diz diretor do BNDES

O diretor de planejamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), João Carlos Ferraz, disse que os governos latino-americanos precisam "investir para dar voz ao cidadão" e superar as "travas" geradas por "30 anos de falta de investimento na gestão pública". Para ele, a América Latina e o Caribe são "bons para propor políticas e ruins para implementar e avaliar (essas políticas)". Segundo Ferraz, avanços importantes na gestão pública ficaram concentrados nos ministérios da Fazenda e nos bancos centrais.Para Ferraz, é preciso dar competitividade ao Estado similar a das empresas. Segundo ele, os países da região têm uma agenda, "mas que ainda são quebra-cabeças de um projeto de nação". Em palestra na abertura do fórum global "Modernizando o governo: estratégias e ferramentas para a mudança", realizado pelo Planejamento e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) na sede do BNDES, no Rio, Ferraz disse que há sinais positivos de que há um processo em curso para dar voz aos cidadãos nos países da região.Ele destacou a consciência de que "não há modelo a copiar" e a pressão dos cidadãos pela melhoria dos serviços públicos, além do uso de tecnologias de informação e uma "nova geração ocupando espaço sem vícios do passado". Outro fator positivo, segundo Ferraz, é o consenso de que existe na região sobre a necessidade de estabilidade econômica, desenvolvimento social, segurança e investimentos em infra-estrutura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.