Investimento em saúde supera o da Copa, compara Dilma

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira , 19, que os investimentos para a realização da Copa do Mundo em 2014 são menores do que em outras áreas, como em saúde. "O investimento em equipamentos de saúde vem crescendo para aumentar a estrutura básica", afirmou ela, em entrevista a rádios de Mato Grosso. Dilma está em Rondonópolis para a inauguração do trecho da Ferronorte que vai ligar a cidade a Itiquira.

RENAN CARREIRA E JOSÉ ROBERTO CASTRO, Agência Estado

19 de setembro de 2013 | 12h05

Dilma disse que o repasse para serviços em Estados e municípios será superior a R$ 860 milhões em 2013. "Em 2011, foram R$ 711 milhões. Em 2012, R$ 860 milhões. Neste ano deverá ser mais de R$ 860 milhões. Esse é o repasse que a gente faz pra dar sustentação à estrutura de serviços dos Estados e municípios."

A presidente afirmou que sabe que há muitas reclamações sobre o setor de saúde brasileiro. "As pesquisas mostram que a principal queixa da população é a falta de médicos." Segundo ela, foi por isso que o governo federal criou o programa Mais Médicos. "Precisamos de médicos agora e por isso decidimos trazer do exterior. 80% dos casos é possível resolver de forma bastante simples."

Dilma disse também que há vários projetos de infraestrutura em Mato Grosso visando à Copa do Mundo, como VLT e o BRT. "Estamos entregando esses projetos para que as pessoas utilizem na Copa, mas não só na Copa, elas vão usar depois também. Eles (os recursos) fazem parte dos R$ 21 bilhões em obras, que vão desde mobilidade urbana, passando por rodovias e estradas vicinais." Ela afirmou que o governo já destinou R$ 1,6 bilhão a Cuiabá para obras de mobilidade urbana.

Mais conteúdo sobre:
DilmaRondonópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.