Investimento de R$ 100 bi do PAC é 'puro trololó', diz Serra

Segundo governador, maioria dos recursos para São Paulo e outras regiões vem de Estados e municípios

Rejane Lima, de O Estado de S. Paulo,

11 de agosto de 2008 | 18h29

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), criticou nesta segunda-feira, 11, a maneira como o governo federal tem anunciado os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e disse que a divulgação de que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva está investindo R$ 100 bilhões em São Paulo através de recursos do PAC "é puro trololó".   "O grosso são investimentos de Estados e municípios. Por exemplo, em habitação na Baixada vamos investir R$ 2,6 bilhão; R$ 1,8 vão ser do governo do Estado", destacando que o apoio do PAC está na coordenação dos investimentos. "Ao invés de o governo federal fazer uma coisa separada, ele entra nas coisas que o Estado e os municípios estão fazendo e dá uma ajuda, a ajuda é importante, eu não estou menosprezando não, mas também não é tudo aquilo", afirmou Serra.   A respeito das obras do Rodoanel, Serra disse que a União tem participado dos investimentos da mesma maneira que o governo Fernando Henrique participava. "Com um terço ou um quarto do valor das obras, embora isso seja contabilizado no PAC como uma espécie de investimento federal", concluiu.   Serra participou nesta segunda do Fórum Nacional para Expansão do Porto de Santos - Santos Export 2008, no Hotel Jequitimar, no Guarujá. Durante a apresentação, o governador criticou a demora da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) em apresentar o estudo necessário para a concessão do licenciamento ambiental que permitirá a ampliação da dragagem do canal do Porto de Santos.   "Nós fizemos que a Cetesb aumentasse a possibilidade de dragagem de 400 mil, para 700 ml metros cúbicos e isso depende agora da Codesp", disse o governador, afirmando que está preocupado com as questões que envolvem a profundidade do porto e que o maior tamanho dos navios acompanham o desenvolvimento do Comércio Exterior.   Na véspera da posse do novo presidente da Codesp, o governador voltou a afirmar que "parece impossível acabar com a nomeação política na esfera nacional" e a defender a estadualização do Porto de Santos. "Eu acho que com a estadualização daria mais certo, mas nós não vamos ficar brigando nem discutindo e vamos cooperar", disse Serra. Nesta terça-feira, o secretário Adjunto da Secretaria Especial de Portos, José Roberto Serra, tomará posse como presidente da Codesp. O atual presidente do porto, José Di Bella Filho, por sua vez, assumirá o posto de Serra em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.