Fábio Motta/ Estadão
Fábio Motta/ Estadão

Investigado na Lava Jato é preso no Rio

Ex-secretário adjunto de Tratamento Penitenciário da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do RJ, Marcos Vinícius da Silva Lips, foi detido ao desembarcar no aeroporto do Galeão

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

17 Março 2018 | 11h28

RIO - O advogado Marcos Vinícius da Silva Lips, ex-secretário adjunto de Tratamento Penitenciário da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro, foi preso na manhã deste sábado, 17, ao desembarcar no aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio. Na última terça-feira, 13, ele teve prisão preventiva decretada pela Justiça Federal no Rio de Janeiro, sob acusação de participar de uma fraude no fornecimento de alimentação para os detentos do Estado do Rio. Lips estava em Miami, nos Estados Unidos, e retornou ao Brasil neste sábado, quando se entregou.

A ordem de prisão contra Lips foi expedida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, dentro da operação Pão Nosso, deflagrada na terça-feira pela Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal. Foi mais uma etapa da Operação Calicute, braço da Lava Jato no Rio de Janeiro.

+++ Projeto para recuperar presos do Rio foi usado para crimes, diz Lava Jato

A Justiça determinou a prisão de 16 pessoas, e no mesmo dia foram presos o ex-secretário estadual de Administração Penitenciária Cesar Rubens Monteiro de Carvalho e o delegado Marcelo Martins, então diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada do Rio.

O grupo é acusado de fraudar os contratos de fornecimento de alimentação (quentinhas, café da manhã e lanches) para os mais de 50 mil presos no Estado do Rio durante pelo menos seis anos (2009 a 2014). Nesse período os contratos chegaram a R$ 72 milhões e, segundo o Ministério Público Federal, R$ 44 milhões foram desviados.

+++ Diretor da Polícia Especializada do Rio é preso pela Lava Jato

Até as 11h deste sábado, a reportagem não conseguiu contato com a defesa de Lips para que se pronuncie sobre a acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.