Investigado em 71 processos, empresário vira senador

Alvo de 71 processos na Justiça de Rondônia, o empresário Mário Calixto reassumiu ontem o cargo de senador, pelo PMDB, cinco meses após a Mesa Diretora da Casa ter anulado a sua posse em atendimento à Justiça eleitoral do Estado. Ele era tido, na ocasião, como inelegível, com condenação transitada em julgado. Mas ao acatar seu pedido de habeas-corpus, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entendeu que houve ?exasperação? na aplicação da pena que, reduzida, terminou prescrita. O fato é inédito no legislativo brasileiro.O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), também inovou ao realizar o ato de posse a portas fechadas, em seu gabinete, enquanto os parlamentares votavam em plenário a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A vaga aberta pela nomeação de Amir Lando para o Ministério da Previdência vinha sendo ocupada pelo segundo-suplente Paulo Elifas (PMDB-RO), que também tem contas a prestar com a Justiça de Rondônia.Quando assumiu, em fevereiro, o site do Tribunal de Justiça informava sobre a existência de 17 processos contra ele. Contra Calixto eram 147 processos, segundo ele, provocados pela sua condição de dono de jornal. Hoje, seu nome foi recolocado na porta do gabinete e na capa de couro das duas Constituições que estavam sobre sua mesa. O senador disse que seu retorno não causará constrangimento aos demais parlamentares. ?Estou com todos os meus direitos tal qual os meus colegas?, disse. ?O Senado saiu fortalecido porque agiu no momento em que deveria agir?.Pelo menos da parte do governo não há motivo de reclamação: Calixto adiantou que seu voto seguirá a orientação de Amir Lando, até aqui fiel ao Palácio do Planalto. Na entrevista que deu ao lado de seu advogado Raul Levino, o senador disse que o ?tiroteio? a que foi submetido não lhe deixou seqüelas. ?Volto tranqüilo, a gente não está acostumado a apanhar, só a bater?, frisou. Segundo ele, a condenação em regime aberto que cumpriu há pouco meses por desvio de verbas públicas foi injusta, ?inerente à minha empresa de comunicação?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.