Investigações sobre caso Celso Daniel podem ser reabertas

As investigações sobre a morte do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, seqüestrado e assassinado em janeiro deste ano, poderão reabertas a qualquer momento, face as novas revelações que reforçam a hipótese de crime político. O juiz do Fórum de Itapecerica da Serra, Luiz Fernando Migliori Prestes, onde o processo corre em segredo de Justiça, poderá converter o julgamento em diligência, em busca da "verdade real". Novas investigações poderão também ser requeridas pela Promotoria da Justiça.No processo sobre o seqüestro e morte de Daniel, não foi arrolado como testemunha seu irmão, João Francisco Daniel. Dele partiram as revelações que levaram o Ministério Público a denunciar por concussão e formação de quadrilha, o secretário municipal Klinger Luiz de Oliveira Souza e seis empresários. Dentre eles, Sérgio Gomes da Silva, vulgo Sombra, que estava em um automóvel blindado junto com o ex-prefeito quando ele foi seqüestrado.As revelações de Daniel puseram à tona um esquema de propinas na prefeitura de Santo André, visando arrecadar fundos para as campanhas do PT.O processo sobre o assassinato de Celso Daniel ainda está na fase de interrogatório dos réus. Já foram ouvidos Itamar Messias Silva, José Edison da Silva, Rodolfo dos Santos Oliveira e Marco Roberto Bispo dos Santos. Falta interrogar Ivan Rodrigues da Silva, o último membro da quadrilha a ser preso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.