Marcos Bezerra/Futura Press
Marcos Bezerra/Futura Press

Investigação sobre tráfico de influência no TCU não avança

Desde 23 de julho, quando o tribunal anunciou uma apuração sobre o caso, os trabalhos não progrediram

Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2015 | 02h02

BRASÍLIA - O Tribunal de Contas da União mantém parada há 20 dias investigação para apurar denúncias de tráfico de influência envolvendo o advogado Tiago Cedraz, filho do presidente da corte, Aroldo Cedraz.

Desde 23 de julho, quando o tribunal anunciou uma apuração sobre o caso, os trabalhos não tiveram avanço. Só ontem, após questionamento da reportagem, foi sorteado um relator para conduzi-los: Augusto Nardes. A corte divulgou relatório que cita ao menos 79 visitas de Tiago às suas dependências, mas não informou, na maioria dos casos, para quais gabinetes ele se dirigiu, o que ajudaria a mapear quais interesses defendeu e perante quem.

Tiago fez fortuna à frente de uma banca com forte presença no órgão comandado pelo pai, como revelou o Estado. O escritório foi alvo de buscas na Operação Politeia - braço da Lava Jato que apura a suposta atuação dele para influenciar decisões da corte, com base em depoimentos do dono da UTC, Ricardo Pessoa, delator do esquema de corrupção na Petrobrás.

A investigação foi aberta por Raimundo Carreiro, corregedor do TCU. Ele, contudo, não ficou à frente do caso, pois foi citado na delação de Pessoa. Em depoimento, o empresário disse ter pago R$ 1 milhão para que Tiago resolvesse pendência de processo da usina de Angra 3, caso relatado por Carreiro. O ministro e Tiago negam qualquer participação em ilícitos.

O registro do destino é exigido pelo TCU de todos os visitantes, inclusive advogados. No caso de Tiago, a informação consta em apenas nove ocasiões. Em oito, a corte alega que ele teria se dirigido aos setores do cerimonial e da OAB. Numa nona, em 8 de julho passado, foi ao gabinete do ministro Bruno Dantas com o deputado Paulo Pereira da Silva (SDD-SP) tratar de processo de interesse da Força Sindical, alvo de auditorias, entre elas uma que apura dano ao erário em repasses de R$ 1,1 bilhão. Dantas disse que a audiência foi marcada com Paulinho e que Tiago apareceu no gabinete o acompanhando.

Outro advogado do escritório, Thiago Groszewicz Brito esteve cem vezes no TCU a partir de 2006. Mas a corte só informou o destino dele em oito ocasiões, como nos gabinetes de Carreiro, em 2011, e de Dantas em 28 de julho. A audiência com assessores de Dantas teria sido para tratar de interesses de gestores do Banco do Nordeste em processo sobre irregularidades na concessão de créditos.

Defesas. Em nota, o TCU informou que suas recepções não costumavam registrar, até junho, o destino dos visitantes devido a dificuldades na operação dos antigos sistemas. Isso só ocorria eventualmente, segundo a corte. O escritório de Tiago afirmou que o levantamento aponta "média de uma visita a cada dois meses ao local de trabalho do seu pai" e que tal frequência não representa "ilegalidade" ou "anormalidade". O escritório reafirmou que "não patrocinou interesses do Grupo UTC no TCU".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.