Investigação sobre empresa de filho de Lula é arquivada

Depois de sete anos sem avançar nas investigações, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal arquivaram o inquérito sobre possível tráfico de influência de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho mais velho do ex-presidente Lula. Em 2004, no segundo ano do governo do pai, Lulinha recebeu R$ 5 milhões da operadora de telefonia Telemar, atual Oi, uma concessionária pública. O dinheiro foi injetado na Gamecorp, uma empresa de jogos eletrônicos aberta no ano anterior com um capital de R$ 10 mil. O inquérito foi arquivado sem que ninguém tenha sido chamado a depor.

AE, Agência Estado

10 de novembro de 2012 | 09h53

À época, o Ministério Público abriu a investigação porque a Telemar, além de ser uma concessionária de serviços públicos, havia recebido financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). O caso Gamecorp foi o maior escândalo envolvendo a família Lula em oito anos de seu governo.

Pouco tempo depois do repasse do dinheiro a Lulinha - que antes de ser sócio da empresa era estagiário de um zoológico -, o então presidente Lula assinou decreto que alterava a Lei Geral de Telecomunicações e permitia a fusão da Telemar com a Brasil Telecom. A fusão deu origem à Oi.

Até então, esse tipo de transação era considerado ilegal pela legislação. O caso Gamecorp chegou a ser analisado pela CPI dos Correios, em 2005, no Congresso, mas, por pressão do Planalto e da bancada do PT, os integrantes da comissão decidiram não convocar Lulinha e representantes da Telemar e do BNDES.

Em 2010, o procurador Marcus Marcelo Goulart recomendou o arquivamento do inquérito à 5.ª Câmara de Coordenação e Revisão (CCR), um órgão da Procuradoria-Geral da República.

A CCR, no entanto, manteve o inquérito aberto. O arquivamento ocorreu em agosto, segundo informou hoje a Folha de S. Paulo, após novo pedido do procurador Bruno Vieira. Desta vez, a CCR aceitou a sugestão. Procurados na sexta-feira para dar detalhes do arquivamento, o Ministério Público e a Polícia Federal não retornaram telefonemas e e-mails. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaLulinhainvestigaçãoarquivamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.