Invasores já começam a plantar em fazenda invadida no MS

Os quase três mil sem-terra ligados ao MST, que invadiram hoje durante a madrugada uma fazenda com 1.300 hectares no município de Itaporã a 270 quilômetros de Campo Grande, na região sul de Mato Grosso do Sul, já começaram a plantar. Eles iniciaram o plantio de arroz, feijão, milho além de hortaliças e legumes para garantir alimentação, deixando clara a disposição de longa permanência na área invadida. É a quarta propriedade rural que o MST ocupa este ano no MS, todas aguardando despejo com força policial.O imóvel está sem produzir há pelo menos dois anos e aparentemente abandonado, devido as más condições do pasto e da sede. Os invasores derrubaram parte da cerca para entrar na área com vários caminhões lotados de pessoas e materiais para armação de barracas de lona plástica, segundo informações de um dos coordenadores do movimento. Gritando frases de efeito e cantando em coro, os invasores fincaram a bandeira do MST na entrada da fazendaOs sem-terra estavam acampados nas margens da BR-463, entre as cidades de Dourados e Ponta Porã, naquela região, há mais de um ano. Conforme alegam, o lugar do acampamento é muito perigoso devido ao tráfego intenso na rodovia, principalmente de carretas e caminhões, colocando em risco a vida dos que viviam ali. Acreditam que deixaram o imóvel somente quando surgir uma área para assentar todo o pessoal, estimado em 900 famílias.Novas invasõesPara o presidente do MNP (Movimento Nacional de Produtores), João Bosco Leal, é o recomeço das sucessivas invasões de fazendas no Mato Grosso do Sul. Lembrou que os sem-terra do Estado haviam fixado um prazo até este mês para o final de uma trégua. O Incra (Instituto Nacional de Colonização a Reforma Agrária) cadastrou nos últimos três meses cerca de 16 mil famílias de sem-terra em todo o Estado, e dese total 12 mil são acampados em 47 municípios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.