Invasões atrapalham a causa, diz Ciro

O candidato do PPS à Presidência, Ciro Gomes, criticou hoje a invasão da fazenda Córrego da Ponte, da família do presidente Fernando Henrique Cardoso, em Buritis, Minas Gerais. Ele afirmou, durante o 13º Congresso Nacional do PPS, realizado em Niterói, no Grande Rio, que a invasão é um "ato de provocação que acaba prejudicando a causa" dos sem-terra."Está errado. Invasão de terra não é a linguagem que possa de fato garantir o justo direito de abrir, neste País que tem 100 milhões de hectares de terras férteis desocupadas, terra para quem nela precisa trabalhar", disse o candidato. Ele defendeu, como propostas do partido para resolver o problema da terra no País, um nova política agrícola, financiamento estatal e a compra antecipada de safra para evitar oscilações de preço.Ao comentar a declaração do ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, que acusou o PT de estar por trás da invasão, promovendo com isso um ato político-eleitoral, ele foi irônico. "Qual invasão, a da Lunos?", disse ele, referindo-se à ação da Polícia Federal na empresa de propriedade da pré-candidata do PFL e governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e de seu marido, Jorge Murad.O presidente do PPS, senador Roberto Freire, que deverá ser reeleito hoje para o cargo no congresso do partido, disse discordar da ação do MST, mas criticou a declaração do ministro da Justiça sobre o PT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.