Invasão em Minas acaba em choque com PM

Três pessoas foram presas e um policial saiu ferido com pedrada

Luiz Carlos Silva, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 00h00

No início da noite da última quinta-feira, famílias ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e ao Movimento das Brigadas Populares invadiram um terreno no bairro Céu Azul, na região da Pampulha, em Belo Horizonte.Segundo os representantes do movimento, cerca de 300 famílias estão no local, que tem área de aproximadamente 35 mil metros quadrados. Desde o início da ocupação, a Polícia Militar de Minas Gerais está presente no local e realizou um cerco na noite da própria quinta-feira. Durante a madrugada de sexta-feira, ao tentar invadir outra área, houve conflito entre os invasores e os policiais. Três pessoas foram presas, uma delas com um facão, e um policial foi ferido com uma pedrada.Algumas famílias estavam no local havia quatro dias, mas o movimento ganhou força na quinta-feira, véspera de feriado, quando mais de 400 pessoas montaram barracas de lona para reivindicar moradia e trabalho e firmaram o acampamento.Segundo os organizadores do movimento, as famílias vivem em condições precárias, sem ter como pagar aluguel. Algumas seriam até moradoras de rua. As famílias são provenientes de vários bairros da região metropolitana de Belo Horizonte, como Aarão Reis, Novo Boa Vista, Céu Azul e região do Barreiro. Os representantes dos invasores afirmam que o terreno está abandonado há muitos anos e acumulou uma dívida de cerca de R$ 18 milhões em Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).REINTEGRAÇÃOA situação ontem foi tranquila durante todo o dia. O cerco da Polícia Militar foi desfeito e algumas viaturas realizaram ronda de rotina no local.Representantes de uma construtora, que se diz proprietária da área, negaram haver dívidas e entraram com um pedido de reintegração de posse no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, mas a decisão só deve sair após o feriado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.