Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Invasão é provocação e desrespeito à democracia, diz FHC

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse a um dirigente do PSDB que a invasão do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra à fazenda Córrego da Ponte, de seus filhos e do empresário Jovelino Mineiro, foi "um ato de provocação e um desrespeito à democracia". De acordo com o parlamentar tucano, Fernando Henrique lamentou o ocorrido e disse que foi pego de surpresa, porque não tinha informação de que o MST estava se movimentando nas proximidades da fazenda.A invasão ocorreu às 8h15, informou Pedro Oliveira, do telefone da propriedade de Fernando Henrique. Oliveira é goiano. Mora em uma das cidades da fronteira com Brasília, região conhecida por Entorno. Ele contou que os sem terra estavam reunidos em Buritis, que fica a 60 quilômetros da sede da fazenda. Por volta das 5 horas da madrugada de ontem, cerca de 600 deles tomaram ônibus e caminhões e se dirigiram para a sede da fazenda. A ocupação ocorreu sem nenhum problema.Os sem terra estão acampados nas proximidades da sede. Estão utilizando a sala e a varanda do imóvel, a televisão e o telefone da propriedade dos filhos de Fernando Herique. Por volta das 14h, eles começaram a fazer o almoço, em fogões improvisados na varanda da casa. Não tinham matado nenhum animal. Cozinhavam arroz, feijão e carne seca.A Polícia Federal está do lado de fora da fazenda, no portão que foi transformado em guarita desde que o presidente Fernando Henrique foi eleito. Nas proximidades da sede do imóvel há uma segunda porteira. Os sem terra deslocaram máquinas, tratores e caminhões para lá, de forma a dificultar uma possível invasão. "A disposição aqui é de luta"Segundo Pedro Oliveira, a disposição de todos os que invadiram a fazenda é de resistir à retirada. Segundo ele, se o Exército ou a Polícia Federal invadirem a fazenda, haverá confronto. "A disposição aqui é de luta", disse o sem terra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.