Intriga ou eleição não impedirão desenvolvimento, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu esta manhã, em discurso no Conselho de Desenvolvimento Econômico, a união do País em torno de um projeto estratégico de desenvolvimento, e que todos sigam o slogan de uma campanha institucional que está sendo veiculada e que diz "eu sou brasileiro, não desisto nunca". Segundo o presidente, se todos seguirem esse slogan, "não haverá intriga, não haverá futrica, e não haverá eleição" que possam impedir o desenvolvimento que o País precisa. Lula disse que não há espaço para "política pequena" neste momento e afirmou que, em poucas vezes na história, houve confluência de fatores tão positivos para que o Brasil ingressasse na rota dos países desenvolvidos. "Nenhum vento é bom para quem não sabe onde quer chegar, mas nós temos rumo, direção e sentido." Compreensão e apoio Lula pediu ainda, em seu discurso, compreensão e apoio na travessia que o País está fazendo para superar seus problemas sociais e consolidar o desenvolvimento econômico. Ele disse que muitas vezes os mais pobres têm um grau de compreensão com a gravidade, que às vezes falta "ao olhar dos privilegiados". O presidente disse que é necessário "construir um novo consenso estratégico nacional" para que não se perca a oportunidade surgida e cobrou convergência nos diagnósticos, de modo a que não se percam as conquistas, mas que também não se abdique das oportunidades abertas. Ele reconheceu que os ajustes econômicos são muitas vezes inavitáveis, mas disse que esses ajustes "podem cegar se assumir forma de dogmatismo, como ocorreu nos anos de neoliberalismo hegemônico". Ele pediu apoio aos membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico para que analisem à luz do programa de governo os caminhos que o Brasil pode seguir e apresentem sugestões para aperfeiçoar esse processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.