Interventor fará devassa em certidões de terra no Incra do Pará

O interventor do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Roberto Kiel, anunciou hoje que os dois anos da administração do superintendente Roberto Faro irão passar por uma devassa. Já foi solicitado ao Serpro, setor de informática e tecnologia do governo federal, um levantamento de todas as certidões emitidas de imóveis rurais, principalmente na região oeste do Estado, onde a grilagem de terras está fora de controle.Faro foi preso pela Polícia Federal ontem juntamente com outros dez servidores do Incra, além de empresários, advogados e um madeireiro. Eles são acusados de corrupção ativa e passiva, fraudes e formação de quadrilha. Kiel disse que a apuração das fraudes inclui o levantamento de todas as senhas de acesso ao sistema do Incra em Belém, que pode envolver funcionários do órgão ou mesmo de prefeituras. O recadastramento de todos os que possuem acesso ao cadastro do órgão é um dos primeiros passos. "A Polícia Federal e o Incra estão apenas iniciando as investigações. Temos indícios fortes, concretos da fraude", afirma Kiel.Faro deve depor na PF de Santarém nesta quinta-feira. Hoje, o juiz federal de Santarém, Fabiano Verli, revogou as prisões de Elias Santiago, chefe de gabinete de Faro e vice-prefeito eleito pelo PT no município de Concórdia do Pará, e de Elisandra Kelen Cardoso dos Anjos, funcionária do Incra em Santarém.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.