Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

‘Interventor’ da crise, Braga Netto age para evitar dispensa de Mandetta e é alvo de ala ideológica

Poder concedido ao chefe da Casa Civil, escalado para coordenar as ações do governo sobre o coronavírus, é criticado pelo chamado ‘Gabinete do ódio’ do Planalto

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 10h36
Atualizado 07 de abril de 2020 | 20h09

BRASÍLIA – Escalado para comandar o comitê de crise e coordenar as ações do governo sobre o coronavírus, o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, passou a ser tratado por alguns setores militares como uma espécie de “interventor” do Palácio do Planalto. Horas depois de ter sido um dos generais que convenceram o presidente Jair Bolsonaro a não demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, Braga Netto foi além e agiu nesta terça-feira, 7, para baixar a temperatura do atrito. “A palavra união é a posição do governo”, disse ele, em entrevista ao lado de Mandetta. “Vamos tocar esse barco chamado Brasil juntos”, concordou o titular da Saúde.

Bolsonaro chegou a planejar demitir Mandetta, mas recuou diante de pressões de militares, do Congresso e até do Supremo Tribunal Federal. Isso sem contar o apoio obtido pelo ministro nas redes sociais.

Braga Netto assumiu a nova tarefa na semana passada, quando passou a mostrar efetivamente a que veio. Os militares do governo avaliam que a dispensa de Mandetta, neste momento, fortaleceria governadores que travam uma queda de braço com Bolsonaro, como João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio).

Nesse cenário, o chefe da Casa Civil assumiu sua função de gerente do governo, que atua como escudo para proteger o governo Bolsonaro. “Braga Netto é o homem certo, no lugar certo, na hora certa”, disse ao Estado o vice-presidente, Hamilton Mourão, que vira e mexe é criticado nas redes sociais pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

A ala ideológica do governo e o chamado “Gabinete do ódio”, comandado por Carlos, filho “zero dois” do presidente, desaprovam o poder concedido aos militares na equipe e, agora, na administração da crise. Braga Netto, no entanto, diz não se aborrecer com os ataques e continua dando ordens aos colegas, até mesmo em bilhetinhos que passa para ministros durante  entrevistas no Planalto.

Diante de novo fogo amigo, coube a Mourão sair em defesa do general. “Ele não está enquadrando ninguém, mas apenas fazendo a verdadeira governança. Assim, a Casa Civil passa a atuar como um verdadeiro centro de governo”, resumiu o vice. “Braga Netto está fazendo o que sabemos: colocar ordem na casa, coordenando as ações ministeriais, de modo que haja sinergia, cooperação e, como consequência, os esforços do governo sejam mais eficazes.”

A organização da Casa Civil, segundo Mourão, tem como meta estabelecer “um sistema de comando e controle que permita ao presidente tomar decisões”.

Na semana passada começaram a circular rumores de que Braga Netto seria o nome escolhido por uma Junta Militar para assumir o comando do País, deixando Bolsonaro como “rainha da Inglaterra”, que reina, mas não governa. A versão começou a ganhar força no fim de semana nas redes sociais, a ponto de usuários alterarem o dicionário online colaborativo Wikipédia para apontar o general como o 39º presidente do Brasil - a mudança foi desfeita assim que o site identificou.

A tese da “conspiração” é alimentada por filhos do presidente, que têm Mourão entre seus alvos prediletos. Em entrevista ao Estado, porém, o ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas foi enfático: “Ninguém tutela Bolsonaro”.

Freio

Ex-interventor na segurança pública do Rio em 2018, nomeado à época pelo então presidente Michel Temer, Braga Netto é conhecido pelo estilo durão. Nos últimos dias, ele tem tratado de assuntos tão diversos quanto importantes: da ciumeira relacionada aos holofotes sobre Mandetta à infraestrutura do País, passando por discussões econômicas e até por conversas com companhias aéreas para manutenção de voos durante a crise.

A poucos dias de completar dois meses no cargo, Braga Netto ainda está fazendo substituições na Casa Civil, pasta que, antes, era comandada por Onyx Lorenzoni, hoje titular do Ministério da Cidadania. Recentemente, por exemplo, ele nomeou o general Sérgio José Pereira - seu antigo auxiliar na época da intervenção federal, no Rio - para ajudá-lo a fazer a articulação com os demais ministérios.

O núcleo militar do governo considera que, por não ter aspiração política - ao contrário de Onyx, pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul, em 2022 -, Braga Netto imporá rapidamente um freio de arrumação na equipe. /COLABOROU JULIA LINDNER

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.