PEDRO VENCESLAU/ESTADÃO
PEDRO VENCESLAU/ESTADÃO

Intervenção faz Alckmin reforçar tema da segurança

Pré-candidato do PSDB ao Planalto, governador paulista antecipa estratégia eleitoral para a área e diz que pretende ‘puxar o debate’ sobre o assunto

Adriana Ferraz e Pedro Venceslau, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 05h00

NOVA LIMA (MG) - A intervenção anunciada pelo presidente Michel Temer na segurança do Rio levou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), a eleger o tema como foco de sua campanha ao Planalto. A medida antecipou um discurso que já estava pronto para a eleição – que tentará convencer o eleitor de que o tucano é o presidenciável mais experiente na área e possui dados relevantes a mostrar. 

A decisão de Temer também precipitou a produção de uma propaganda institucional do governo do Estado, que passou a ser veiculada no sábado.

“Eu vou puxar o debate da segurança pública. Esse é o problema no Brasil do Oiapoque ao Chuí. O combate ao crime é permanente”, disse o tucano nesta segunda-feira, 5, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, durante palestra para empresários e políticos. O governador voltou a defender a criação de uma agência de inteligência para combater o tráfico de armas e de drogas nas fronteiras. 

+++Alckmin sofre críticas da ‘bancada da bala’ de SP

Com este discurso, Alckmin procura disputar com Temer e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), também pré-candidato, pelo protagonismo no tema da segurança pública. 

Apesar de o Estado reunir bons resultados nas estatísticas de crimes violentos – como a redução da taxa de homicídios em São Paulo à menor do País –, os números dos chamados crimes contra o patrimônio se mantêm numa taxa elevada e os salários dos policiais militares estão entre os mais baixos do País, o que revela uma realidade menos positiva do que a que o governo procura veicular.

Desde o ano passado, o tucano carrega com ele um quadro que compara as médias paulista e nacional referentes à taxa de assassinatos. Segundo a gestão Alckmin, ambas estavam na casa de 30 casos para cada grupo de 100 mil habitantes em 2003. Hoje, pelos dados do governo, o Estado registra 7,5 homicídios para cada 100 mil pessoas, enquanto o restante do País mantém o nível de 15 anos atrás. 

+++'Me considero mais amadurecido que em 2006', diz Alckmin

O entorno do governador paulista justifica a campanha na TV e no rádio como uma necessidade para “tranquilizar” a população do Estado sobre a realidade “diferente do Rio”. 

A bandeira é vista ainda como uma boa estratégia para projetar o nome do governador paulista no Nordeste, onde a escalada da violência transformou Sergipe, Rio Grande do Norte e Alagoas nos Estados mais perigosos do País, com taxas de homicídios entre 55 e 64 para cada 100 mil habitantes. 

+++PSDB estará unido para vencer eleição em São Paulo, diz Doria

Diante da crise financeira pela qual passam praticamente todos os Estados e o governo federal, Alckmin estuda ampliar o poder dado hoje aos guardas municipais, responsáveis pela segurança do patrimônio das prefeituras, como parques e escolas. De acordo com o tucano, não só o governo federal deve ampliar sua participação na definição de políticas de segurança, mas também os municípios. 

Alckmin não usa o termo “polícia municipal”, mas admite, caso eleito, dar poderes de polícia aos guardas – que podem fazer prisões em flagrante mas estão impedidos de participar de ações de patrulhamento ou investigação. O tema, porém, vai exigir um debate constitucional.

Prévias. Na terça-feira, 27, Alckmin pediu o registro para as prévias do partido sobre o candidato a presidente, que não deve ocorrer com a desistência do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, da disputa interna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.