Internet é a ferramenta de interação com eleitorado em SP

Candidatos usam Twitter e Facebook para divulgar propostas de governo e receber sugestões dos eleitores

Eduardo Vasconcelos e Fábio Farias, especial para a Agência Estado,

19 de julho de 2012 | 14h44

São Paulo, 19 - Primeiro lugar nas pesquisas eleitorais na capital paulista, o candidato do PSDB, José Serra, tem um espaço específico em sua página oficial de campanha para receber sugestões de internautas para a cidade de São Paulo. De acordo com sua coordenação de campanha, haverá uma seleção das propostas enviadas e elas serão agregadas ao programa de governo do tucano. Serra possui ainda um aplicativo oficial para smartphones com notícias e fotos.

Além da página oficial, Serra está presente no Facebook e na rede de microblog Twitter com dois perfis: o pessoal, que conta com mais de um milhão de seguidores (ele é o candidato mais popular nessa rede) e um de campanha que tem cerca de 600. Além disso, Serra possui uma rede social própria, a SerraJá, usada para agregar eleitores e simpatizantes do tucano e para disseminar o conteúdo produzido pelo próprio candidato.

Celso Russomanno (PRB), segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, tem um site atualizado com notícias e fotos de campanha, além de um espaço com as propostas de governo. No link "propostas", a equipe de Russomanno dividiu o programa em 11 temas diferentes, englobando desde a saúde até o respeito ao cidadão. Nas redes sociais, Russomanno conta com perfil no Twitter com mais de 15 mil seguidores e no Facebook com 28 mil fãs.

Organismo Vivo. De acordo com o responsável pelo marketing digital da campanha de Russomanno, Engler Santoni, o site oficial do candidato será alterado durante a campanha. "A internet é um organismo vivo, que vai se transformando", disse. Segundo ele, a página de Russomanno é totalmente integrada com as redes sociais e a ideia é aprofundar essa interação: "Estamos tendo uma boa receptividade do site, as pessoas estão navegando e buscando conhecer as propostas do candidato."

A equipe de campanha de Fernando Haddad (PT) fez da página oficial , uma espécie de webtv para divulgar as propostas do candidato e falar sobre os problemas de São Paulo. "A maior aposta está no digital, até pela personalidade do candidato e pela ligação dele com o novo", disse Marcelo Kerstz, coordenador de internet da campanha petista. De acordo com Kerstz, a estratégia é usar a página para criar um fórum virtual para discutir a cidade. "O site é uma grande central que agrega conteúdos, mas a gente usa essas ferramentas para discutir e trazer ideias", enfatizou.

O site do candidato do PT possui ainda uma versão otimizada para smartphones e para tablets. Além dos vídeos, a página oficial tem fotos e textos das atividades de campanha. Nas redes sociais, Haddad possui uma rede de blogs (Amigos de Haddad), uma página no Facebook com pouco mais de mil fãs e, nesta quarta-feira, 18, foi anunciada a criação de uma conta em seu nome no Twitter.

Doações. A única página oficial de campanha que conta hoje com uma seção específica para receber doações de campanha pela internet é a do candidato peemedebista Gabriel Chalita. No link, o usuário é direcionado ao e-mail da assessoria. Contudo, a arrecadação ainda não entrou em funcionamento porque a campanha do peemedebista negocia o processo com as operadoras de cartão de crédito. Esta estratégia foi utilizada na campanha do presidente norte-americano Barack Obama, em 2008. Além das doações, o site possui uma seção para receber propostas do eleitorado e é atualizado diariamente com notícias e fotos do candidato.

O candidato do PDT, Paulinho da Força, lançou o site oficial nesta última segunda-feira, 16. A página tem detalhes sobre a biografia do deputado federal e conteúdo específico da campanha, com fotos e vídeos. A página também tem uma seção específica para o envio de propostas. "A estratégia é a interação online, de forma a instigar as pessoas que estão em toda São Paulo a participarem ativamente", afirma Jorge Piris, assessor do pedetista.

Dentre os principais postulantes ao cargo, apenas Soninha Francine (PPS) não lançou o site oficial da campanha, previsto para sair em dez dias. Enquanto isso, ela usa o próprio blog e o Twitter para interagir com os eleitores, receber sugestões e divulgar o programa de governo. Os candidatos Carlos Giannazi (PSOL) e Levy Fidelix (PRTB) também intensificaram a presença na internet. Ambos possuem páginas com informações relativas à campanha e aos programas de governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.