Internautas questionam deputados pela manutenção do mandato de Donadon

Ausentes tentam justificar falta em sessão, enquanto os presentes alegam ter votado pela cassação de colega preso; voto secreto também é criticado nas redes sociais

Renato Vieira, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2013 | 13h06

O resultado da votação que manteve o mandato do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO) em sessão nessa quarta-feira, 28, na Câmara, motivou questionamentos a parlamentares nas redes sociais por parte de eleitores que criticacam o voto secreto. Manuela d'Ávila (PC do B-RS), Ronaldo Caiado (DEM-GO), e Henrique Fontana (PT-RS), entre outros, responderam às queixas pelas suas contas no Twitter.

A deputada gaúcha discutiu com um seguidor da sua conta. “É simples, deputada, acabem com o voto secreto...mas n fundo no fundo, tds os deputados adoram votar secretamente”, disse o internauta em resposta a um tuíte da parlamentar, afirmando que o voto secreto absolveu Donadon. Manuela respondeu. “É simples? Peça para teu deputado de (sic) manifestar pelo fim. Sou líder e assim o faço. Somos 12. Se ele fizer.”. O mesmo seguidor disse que os deputados faziam “ouvidos moucos” e a deputada retrucou. “Vocês vírgula, moço. Respeite quem faz diferente. E já disse. Fale com alguém de seu estado para que tb pressione”.

Líder do DEM na Câmara, Caiado, disse que deputados que votaram a favor de Donadon deram “um tapa no rosto da sociedade e ainda criaram uma crise sem precedentes na Casa”. Um seguidor do perfil do parlamentar disse que ele se escondia atrás do voto secreto e que poderia ter anunciado o voto antes. “Eu anunciei pela cassação! Só olhar meu perfil”, respondeu o democrata.

Outro internauta perguntou ao petista Henrique Fontana qual foi o seu voto. Fontana havia citado em um tuíte na manhã desta quinta-feira, 29, uma frase do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso criticando o sistema político brasileiro. O petista respondeu ao internauta afirmando que votou pela cassação. “Que bom, continuo assim teu eleitor. Mas bem que poderia ser voto aberto! Deveria, aliás”, disse o seguidor.

Ausente. Já o líder da bancada do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), foi questionado pela ausência na sessão. “Eu estava mandatado oficialmente pelo Pres. da Câmara para representá-lo na Jornada Nacional de Literatura em Passo Fundo”, afirmou o deputado. “Não há desculpa”, disse um seguidor.

Após o fim da sessão, o líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE) deu boa noite a seus seguidores e disse que havia sido um dia de muito trabalho em Brasília., mas não fez nenhuma menção à votação. O líder do PMDB, Eduardo Cunha (PMDB), não se manifestou em sua conta no twitter.

Senadores. Apesar de não participarem da sessão na Câmara, senadores também fizeram declarações no Twitter por conta da votação. O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP), disse que “a política brasileira caiu no esgoto”. O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) pediu que os brasileiros “voltassem às ruas já”.

Vanessa Grazziotin (PT-AM) afirmou ser “inacreditável o que ocorreu na Câmara dos Deputados ontem (quarta-feira)”. Ricardo Ferraço (PMDB-ES), considerou que o resultado deixa o Congresso em uma situação de “extrema fragilidade”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.