Dida Sampaio/AE - 12/05/2011
Dida Sampaio/AE - 12/05/2011

Internautas decidirão nome do novo movimento de Marina

Ex-senadora quer que grupo suprapartidário, a ser lançado até outubro, tenha forte presença nas redes sociais

Roldão Arruda, de O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2011 | 23h00

O nome do movimento suprapartidário e por uma nova política, que tem a ex-senadora Marina Silva como principal expoente, deve ser definido em votação pela internet. O lançamento oficial, já com o nome escolhido, está previsto para ocorrer entre setembro e outubro.

 

O objetivo da eleição é firmar desde o início uma proposta de consultas diretas à militância. "Com as redes sociais, podemos levar adiante a ideia de uma organização com estrutura horizontalizada, substituindo as estruturas verticais dos atuais partidos", diz Maurício Brusadin, que representa o movimento em São Paulo e é um de seus articuladores no plano nacional.

 

A proposta do movimento surgiu com o desligamento de Marina do PV, no dia 7. Ela e o grupo de políticos que a acompanha saíram descontentes com a estrutura do partido, que consideram vertical e autoritária.

 

Para Marina, que obteve quase 20 milhões de votos na eleição presidencial de 2010, com propostas de desenvolvimento sustentável, a estrutura atual dos partidos impede sua renovação. Segundo a ex-senadora, que também já foi filiada ao PT, a "dimensão participativa direta" é "imprescindível".

 

Após romper com o PV, o grupo de Marina optou pela criação de uma organização suprapartidária, que poderá resultar em um novo partido em 2013. Nas eleições municipais do ano que vem, o movimento deverá apoiar candidatos afinados com suas propostas de sustentabilidade, não importando a legenda.

 

Marina informou no domingo aos seus 482 mil seguidores no Twitter que está saindo de férias - as primeiras desde a eleição. Retorna em agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Marina SilvaPVgruporedesinternet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.