Internautas aprovam cassação e frustram Demóstenes

A estratégia do ex-senador Demóstenes Torres de usar o microblog Twitter para tentar caracterizar sua cassação como uma iniciativa da esquerda e de pedir apoio para recupera o mandato por intermédio do Supremo Tribunal Federal (STF) não deu certo. Até houve algumas manifestações de solidariedade, mas a grande maioria dos internautas que resolveu dar palpites no espaço de Demóstenes aprovou a cassação.

VANNILDO MENDES, Agência Estado

12 de julho de 2012 | 18h49

Demóstenes perdeu o mandato na última quarta-feira, depois de responder a processo de quebra de decoro parlamentar por ter posto o mandato a serviço do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, segundo o relator da ação, senador Humberto Costa (PT-PE). A princípio, ele aceitou o julgamento. Mas, ainda na noite de quarta-feira, o ex-senador decidiu usar o Twitter para anunciar que iria ao STF atrás do mandato e que a cassação tinha sido arquitetada pela esquerda.

Alguns dos internautas que entraram no microblog de Demóstenes para fazer comentários chegaram a utilizar do escárnio, dizendo que o ex-senador goiano já foi embora tarde. "Trate de mudar sua biografia. Você não é mais senador. Foi cassado, lembra?", comentou Marinilda Carvalho. Irônico, Edgar Roberto Russo sugeriu: "Acho melhor o senhor mudar o nome do seu perfil. ''Senador'' não te pertence mais!". A resolução que determina a cassação do mandato de Demóstenes foi publicada nesta quinta no Diário do Senado.

Doravante, ele não tem direito mais a carro oficial com motorista, assessores, nem as mordomias do Senado. O internauta que se identifica com o pseudônimo Stanley Burburinho lembrou que ele colheu o que plantou na carreira política. "Lembra do Fora Sarney que você liderou?" indagou, referindo-se à campanha para derrubar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), durante o escândalo dos atos secretos, denunciado pelo jornal O Estado de S. Paulo em série de reportagens em 2009.

Esta quinta foi dia de esvaziar os papéis o gabinete e devolver as chaves à Mesa do Senado. Um grupo de assessores mais leais a Demóstenes tirou a papelada das gavetas e encaixotou todos os documentos e coisas pessoais do ex-senador, transportados em uma van.

Houve quem se solidarizasse com o ex-senador, como Raphael Cardoso Melo, que até lançou provocações aos principais desafetos de Demóstenes, o governo petista e a esquerda. "Sua falha foi unir-se a Cachoeira e não ao partido dos mensaleiros. Teria a base, a CUT, a UNE e o STF a seu favor", provocou.

A baiana Ingrid Viana, mandou fluidos de boa sorte da terra dos orixás. "O cair é do homem, o levantar é de Deus. Que Ele te fortaleça e te estabeleça", disse a internauta. "Abraço da Bahia", despediu-se.

Depois da primeira noite de sono como ex-senador Demóstenes acordou cedo e, de acordo com informações de antigos assessores, viajou nesta quinta para Goiânia, onde dará entrada nos próximos dias aos procedimentos de retorno ao cargo de procurador de Justiça do Estado, do qual estava afastado desde 2002. Demóstenes teve os direitos políticos suspensos até 2027.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.