Internado no Incor, ACM recebe visita de Renan Calheiros

O presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), visitou nesta segunda-feira, 9, o senador Antonio Carlos Magalhães (DEM-BA), internado no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, com problemas cardíacos e renais. Segundo a assessoria de imprensa do presidente do Senado, Renan telefonou informando sobre a visita e disse que ACM "está bem" e "ansioso" para voltar às atividades no Congresso. De acordo com assessores, Renan informou que não chegou a visitar o senador Epitácio Cafeteira (PTB-AM), que está em fase de pré-operatório no Hospital Sírio Libanês, também na capital paulista, e será submetido amanhã a uma cirurgia. Renan explicou aos assessores que a esposa de Cafeteira, Isabel, informou que o senador maranhense não está em condições de receber visitas. Visitas Desde sua internação, no dia 13 de junho, ACM tem recebido visitas de vários políticos. No dia 21 de junho, ACM recebeu o governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Depois de uma visita de cerca de uma hora, Serra afirmou: "Eu conversei bastante e ele até me disse que na noite passada sonhou comigo e com o Fernando Henrique (ex-presidente FHC) a noite inteira". Questionado sobre o teor do sonho, o governador paulista emendou: "Foi bom, o sonho foi bom". O ex-governador Luiz Antônio Fleury Filho e o senador Albérico Mascarenhas, ex-secretário da Fazenda do governo de Paulo Souto, na Bahia, também visitaram ACM no mês passado. Essa é a quarta vez que ACM é internado este ano. A mais recente foi em final de maio quando o senador passou mal no Senado, perdeu o controle das pernas e caiu em frente a seu gabinete. Em 18 de abril, o senador foi mais uma vez ao Incor para realização de exames, apresentando insuficiência cardíaca congestiva descompensada, em decorrência de um infarto de extensa proporção, ocorrido em 1989. Em março passou oito dias no Incor, quatro deles na UTI, para tratamento de pneumonia e disfunção renal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.