Internação de doleiro é suspeita, diz candidato do PSDB

O candidato do PSDB ao governo do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, disse neste domingo, 26, que a internação do doleiro Alberto Youssef num hospital de Curitiba (PR) é no mínimo suspeita e precisa ser explicada. "Aí tem algo escuso. É muito suspeita a internação dele sem nenhuma explicação ao povo brasileiro, depois de fazer mais uma grave denúncia contra a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. Como eu conheço o modus operandi do PT, fico muito preocupado", disse, após votar numa escola de Campo Grande.

JOSÉ MARIA TOMAZELA E LUCIA MOREL, ESPECIAL PARA O ESTADÃO CONTEÚDO, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2014 | 12h33

Segundo ele, é preciso que a Polícia Federal, órgão que tem o doleiro sob custódia, venha a público rapidamente explicar o que houve. "Eles atacam as famílias com panfletos apócrifos, com acusações mentirosas, com agressões, como fazem em todo o lugar. É só ver o que ocorreu com a Abril", disse, numa referência ao vandalismo ocorrido no prédio da editora da revista Veja após a publicação de denúncias do doleiro contra Dilma e Lula.

O tucano contou que, ainda de madrugada, foram apreendidos panfletos apócrifos espalhados na frente dos locais de votação afirmando que ele teria um filho preso. "Mentira, meus três filhos estão aqui, neste momento comigo. É típico deles. Aqui teve compra de voto escancarada no estado todo, doação de gasolina, de cesta básica, tudo armado pela candidatura do PT, pela campanha baixa que eles fizeram", disse aos jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.