Intelectuais apóiam José Cardozo para presidência do PT

Um grupo de 38 intelectuais divulgou manifesto pregando a ética e a recuperação do partido

Denise Madueño,

20 de novembro de 2007 | 22h02

Um grupo de 38 intelectuais petistas divulgou um manifesto de apoio à eleição do candidato à presidência do PT deputado José Eduardo Cardozo (SP), pregando a ética e a recuperação do partido "para avançar na transformação do país". O documento foi apresentado em um ato político na Câmara com a presença de ministros, governadores e prefeitos petistas. Cardozo disputa a presidência nacional da sigla com os também deputados Ricardo Berzoini (PT-SP), que tenta a reeleição, e Jilmar Tatto (SP)"O PT necessário é aquele de conduta ética, republicana, democrática e socialista que, por tantos anos, mobilizou e emocionou milhares de cidadãos brasileiros", diz o manifesto. O documento afirma, sem citar nominalmente o escândalo do mensalão ou dos "aloprados", que o PT cometeu erros que provocaram "violento abalo constatado em torno de seus princípios e compromissos éticos em 2005 e 2006". Os escândalos aconteceram sob a direção do atual grupo que comanda o partido. "Não resta dúvida de que segmentos do PT terminaram se enredando em práticas que fizeram o rosto do nosso partido ficar parecido com o dos outros partidos brasileiros".A eleição do novo presidente do PT será no dia 2 de dezembro, em primeiro turno, e no dia 16 de dezembro, em segundo turno. No ato político, ontem, o ministro da Justiça, Tarso Genro, disse que a candidatura de Cardozo faz parte de um processo crítico de reconstrução da esquerda democrática. "A vitória que podemos ter no Brasil tem potência para influenciar toda a esquerda mundial que acompanhou a crise no PT e está de olho no movimento do partido", disse o ministro.Entre os participantes do ato estavam os governadores de Sergipe, Marcelo Deda, do Pará, Ana Júlia Carepa, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, e o secretário nacional de Segurança Pública, Antonio Carlos Biscaia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.