Integrantes do MST acusam policiais por agressões em PE

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) de Pernambuco denunciou ao Ministério Público estadual policiais militares por agressão a um grupo de agricultores durante uma ação de despejo, realizada, na manhã desta quarta-feira, no município de Água Preta, no sertão pernambucano. De acordo com o MST, integrantes do Batalhão de Polícia da região agrediram os sem-terra com golpes de cacetetes, tapas e chutes. "O nosso pessoal já se preparava para deixar o local quando os policiais atearam fogos nos barracos, provocando pânico entre o grupo. Preocupados, muitos correram e acabaram sendo perseguidos e agredidos pelos policiais", argumentou Joba Alves, um dos coordenadores estaduais do movimento.Ainda segundo o MST, os policiais teriam destruído as lavouras. Uma criança de nove anos, ainda não identificada, foi atendida e internada na unidade de saúde da cidade com ferimentos na cabeça. De acordo com os médicos, seu estado, apesar de inspirar cuidados, é estável. A assessoria de imprensa da Polícia Militar limitou-se a informar que o caso será apurado pela Corregedoria. As famílias viviam na área há mais de cinco anos. A Fazenda Mata Escura já foi vistoriada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que já emitiu decreto de desapropriação para fins de reforma agrária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.