Integração se contradiz ao explicar denúncias

Na quinta, o ministério admitiu ter pedido uma troca direta entre as duas obras; hoje, Pasta nega

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

06 de janeiro de 2012 | 15h51

O Ministério da Integração Nacional se contradisse nesta sexta-feira, 6, ao buscar explicar a tentativa de retirar recursos da transposição do rio São Francisco para direcionar dinheiro a uma barragem em Pernambuco, berço político do ministro Fernando Bezerra Coelho. A iniciativa foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo na edição desta sexta.

Em nota divulgada na tarde desta sexta, a pasta nega que a intenção tenha sido trocar diretamente recursos de uma obra para outra, mas outro comunicado enviado na quinta pelo próprio ministério ao Estado afirmava ter acontecido o pedido de remanejamento de recursos do São Francisco para atender à barragem Serro Azul, na Zona da Mata Pernambucana. Bezerra está em situação delicada devido à paralisia das obras da transposição do São Francisco e ao favorecimento de seu Estado na liberação de recursos.

Na nota divulgada nesta tarde, o ministério busca negar a informação de que a pasta tentou retirar R$ 50 milhões da transposição para destiná-los à barragem de Serro Azul. "Não é correto afirmar que houve solicitação do Ministério da Integração Nacional para remanejamento direto de recursos do Projeto de Integração do Rio São Francisco - PISF para a Barragem de Serro Azul. O que ocorreu, de fato, foi uma solicitação de ajustes em diversas programações do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC, com redução de valores em várias ações do PAC (incluindo PISF) e acréscimos de valores em outras ações (incluindo Serro Azul)", cita a nota.

Na quinta, porém, o próprio ministério admitiu que o pedido era de uma troca direta entre as duas obras. "Foi necessário envio de solicitação ao Congresso Nacional para alteração da proposta orçamentária visando incluir recursos suficientes para a execução da barragem de Serro Azul para o exercício de 2012. Os recursos propostos para a suplementação adviriam de ações alocadas no âmbito do Projeto de Transposição do Rio São Francisco", diz a outra nota, enviada ao Estado.

A retirada de recursos da transposição do São Francisco foi barrada pelo Congresso Nacional por pressão da bancada do Nordeste. O ministério argumenta que tirar R$ 50 milhões da obra não impactaria o ritmo de execução das obras. O Estado procurou o ministério para explicar a contradição nas notas, mas ainda não obteve retorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.