Instituto reúne especialistas para fazer programas do PT

Espécie de "think tank" do PT, o Instituto de Cidadania reúne especialistas para elaborar programas que venham a ser usados em administrações do partido. Para o fórum, organizou quatro seminários em que políticos do PT e intelectuais pretendem apresentar formas de construir "um outro Brasil". O de hoje tinha como título "Políticas Públicas Estratégicas" e, apesar de ter sido aberto pela prefeita Marta Suplicy, mais parecia um resumo do programa de governo de Luis Inácio da Silva para a Presidência. O próprio Lula se encarregou de fazer uma introdução, em tom de discurso de campanha, e depois saiu para outros compromissos.Um dos participantes era o ex-procurador geral do Rio de Janeiro, Antonio Carlos Biscaia, que coordena a equipe que está terminando de elaborar o Plano Nacional de Segurança Pública do PT. Segundo Biscaia, o plano será apresentado em Brasília no próximo dia 26. "É o primeiro plano de segurança que se faz com essa abrangência no Brasil", disseram Lula e Biscaia. Ambos fizeram questão de insistir em que não se trata de um "plano emergencial", que teria sido feito às pressas para atender à demanda da sociedade neste momento, mas que estaria sendo elaborado desde dezembro de 2000.Contrário - Biscaia, porém, não adiantou muitas propostas concretas para a área. Primeiro, se manifestou contrário a sugestões que têm sido feitas, como o fim da suspensão condicional para quem recebeu pena de até 2 anos ("um instrumento utilizado no mundo todo"), a prisão perpétua, defendida até por seu companheiro de partido José Genoíno ("seria necessário mudar a Constituição e não ter efeito intimidativo"), e a redução da maioridade penal "o que precisamos é salvar nossos jovens da opção pelo crime"). Depois, esboçou algumas sugestões, como o "ciclo único de polícia", que seria uma forma de iniciar a união das polícias, e a ampliação da força da Secretaria Nacional de Segurança Pública, além do combate à corrupção e ao narcotráfico, a fiscalização da segurança privada e a reforma do sistema penitenciário. Ele não detalhou nenhum dos itens.Marta Suplicy, na primeira palestra, enumerou programas sociais de seu governo, como o de renda mínima e o bolsa-escola, além do IPTU progressivo e a construção de centros esportivos. Ermínia Maricato, professora de arquitetura da USP, falou sobre a necessidade de investir mais em habitação; José Graziano da Silva, professor de economia da Unicamp, disse que o cupom-alimentação (que seria mais eficaz que a cesta básica) e a "soberania alimentar" (auto-suficiência produtiva de alimentos) são os pontos principais do Fome Zero; os professores Newton Lima Neto, também prefeito de São Carlos, e Luiz Pinguelli Rosa, físico da UFRJ, prometeram levar o investimento em educação para 9% do PIB e em ciência e tecnologia para 2%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.