Instituto Nacional do Câncer quer ampliar doações

O diretor-geral do Instituto Nacional do Câncer (Inca), Jamil Haddad, quer criar um sistema de doações com o objetivo de aumentar os recursos da instituição. Segundo ele, o orçamento do Inca para este ano, de R$ 290 milhões, é 8% inferior ao do ano passado. Além disso, do total de recursos, R$ 160 milhões já estão comprometidos com despesas de pessoal, o que, diz Haddad, dificulta o investimento em novos projetos e a ampliação do atendimento.O programa de doações será inspirado no Movimento Amanhã Sem Câncer, desenvolvido pelo Instituto Ary Franzino, que recebe doações por meio do telefone 0800-282-2820. A idéia é ampliar o sistema, mas ainda não foi definido o número que será usado. Segundo Haddad, o objetivo é usar o dinheiro em programas de prevenção do câncer e no desenvolvimento de novos projetos.O diretor do Inca reuniu-se hoje com o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, para discutir a viabilidade de convênios na área de pesquisa. Além do Inca, Amaral visitou a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). "Uma das prioridades do governo Lula é desenvolver o uso da energia nuclear na medicina", disse o ministro. "Nós encontramos no Inca uma grande defasagem na área de radioterapia", declarou Haddad, que assumiu o cargo na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.