Divulgação
Divulgação

Instituto Lula interpela Gentili por ter insinuado que ataque a bomba foi 'forjado'

Entidade do ex-presidente encaminhou perguntas ao apresentador de TV para que ele explique seus comentários no dia em que a sede do instituto foi alvo de um ataque de bomba caseira

Mateus Coutinho, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2015 | 17h37

São Paulo - O Instituto Lula protocolou, nesta quinta-feira, 13, um pedido de interpelação judicial contra o apresentador de TV Danilo Gentili para que ele explique uma postagem no Twitter em que ironizou o ataque a bomba caseira ocorrido na sede do instituto na capital paulista no dia 31 de julho.

Em seu perfil na rede social, o apresentador de TV afirmou que o atentado teria sido "forjado" para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se "fizesse de vítima". "A interpelação judicial é um procedimento anterior à ação judicial, com o objetivo de oferecer a Gentilli a oportunidade de explicar suas palavras, provar suas afirmações ou se retratar", afirma a nota divulgada pela entidade do ex-presidente.

Na época, o apresentador tuitou: "Instituto Lula forja ataque pra sair de vitima e o máximo que conseguem com isso é o pessoal dizendo 'q pena q não o Lula não tava lá na hora'". Os advogados do instituto pedem que ele responda a seis perguntas:

"O comentário publicado nesse perfil é de autoria de Gentili?

Mais alguém participou da elaboração desse comentário?

Gentili tem algum elemento de prova de que o atentado ao Instituto teria sido forjado? Se sim, qual?

Qual foi a intenção de dizer que o atentado foi forjado?

Gentili confirma o comentário ou gostaria de se retratar?

 

A partir da resposta do apresentador serão avaliadas as possibilidades de processo cível ou criminal contra Gentili.", conclui a nota divulgada nesta tarde.

O ataque ao instituto vem sendo investigado há duas semanas pela Polícia Civil de São Paulo.

Relembre como foi o ataque ao Instituto Lula:

Tudo o que sabemos sobre:
Instituto LulaDanilo GentilliJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.