Instituto do Câncer: diretor diz que a casa está em ordem

O diretor-geral do Instituto Nacional de Câncer (Inca), José Gomes Temporão, anunciou hoje, durante a posse da nova diretoria da instituição, ter reduzido em R$ 1,3 milhão os gastos internos do instituto desde que assumiu o cargo, há pouco mais de um mês. Para o ano que vem, a meta é economizar R$ 30 milhões com despesas de custeio e investi-los em capacitação de funcionários, compra de equipamentos e realização de obras.Em agosto, protestos contra a diretoria administrativa geraram uma crise no Inca, que resultou na falta de medicamentos e no pedido de exoneração funcionários. O então diretor-geral, Jamil Haddad, nomeado no início deste ano, acabou pedindo demissão.Dos seis diretores que coordenaram o movimento e pediram afastamento à época, cinco foram reconduzidos hoje aos cargos. ?Eles voltaram porque têm competência e o perfil adequado para nós e para o ministério (da Saúde)?, explicou Temporão, acrescentando que, pelo menos motivo, trouxe sete profissionais de fora dos quadros do Inca para integrar a direção. A unidade mais importante do Inca, o Hospital do Câncer 1, vai ser dirigida, pela primeira vez, por uma mulher, Rita Byinton, especialista em Administração Hospitalar e mestre e Saúde Coletiva, há 17 anos no Inca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.