ANDRE DUSEK/ESTADÃO
ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Instituto de Cultura Árabe critica declarações de Ana Amélia sobre Al-Jazeera

Senadora do PP diz que suas manifestações se referiam ao PT e não a emissora do Catar

O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 18h58

O Instituto de Cultura Árabe divulgou nota nesta quinta-feira, 19, criticando as declarações da senadora Ana Amélia (PP-RS) vinculando o canal catari Al-Jazeera com terroristas islâmicos. Ana Amélia fez os comentários no senado na quarta-feira, ao criticar um vídeo enviado pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) ao canal, pedindo apoio do mundo árabe contra a detenção do ex-presidente Lula, condenado e preso na Operação Lava Jato.

“A Al-Jazeera é um dos grupos de comunicação mais respeitados do planeta. Além de praticar um jornalismo que serve de referência, entrevista e promove reportagens com líderes, artistas, intelectuais e ativistas que se identificam com a luta em defesa dos direitos humanos, respeitando a diversidade de opiniões”, diz a nota. “Relacionar uma emissora de TV do mundo árabe a grupos terroristas, além de demonstração de desconhecimento em relação aos países árabes, é prática explícita de preconceito racial e islamofobia.”

No comunicado, o instituto ainda lembra que o Brasil historicamente é destino de imigrantes de diversas partes do mundo, entre eles, os árabes. . “A Constituição brasileira é clara quanto aos delitos de racismo e discriminação e quaisquer formas de sistemas religiosos e profissões de fé. Partindo de uma senadora da República, constitui-se em um constrangimento ainda maior para nossa a sociedade”, prossegue o texto. “Valorizamos o caminho da harmonia entre as comunidades e entre os povos e o respeito às diferenças. Acreditamos que a integração entre as culturas e o diálogo são essenciais, assim como o respeito aos direitos humanos de todas as pessoas, brasileiras ou não.”

Ana Amélia afirmou que Gleisi poderia ter violado a Lei de Segurança Nacional por supostamente ter provocado "atos de hostilidade" contra o Brasil . “Espero que essa convocação não seja um pedido para o Exército islâmico atuar no Brasil”, disse a senadora gaúcha.

Não há nenhum grupo terrorista de grande porte chamado "Exército Islâmico". O Estado Islâmico ocupou entre 2014 e o começo deste ano faixas de território na Síria e no Iraque, além de organizar atentados em grandes capitais europeias, mas não  há evidências de qualquer vínculo do grupo com a Al-Jazeera. 

Mais cedo, a Procuradoria-Geral da República instaurou procedimento preliminar para analisar a possibilidade de abrir inquérito sobre o vídeo de Gleisi. O Icárabe se diz uma instituição laica, dedicada à promoção da cultura árabe no Brasil. 

CRÍTICA FOI EXCLUSIVAMENTE A PRESIDENTE DO PT, DIZ ANA AMÉLIA

Em nota divulgada nesta quinta-feira, a senadora Ana Amélia afirmou que não fez críticas a Al-Jazeera, mas sim ao 'manifesto' da presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann. "Em nenhum momento emiti qualquer opinião sobre a comunidade árabe. Basta ler ou ouvir as minhas manifestações feitas no Senado", afirma. "Ao contrário, integro a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, onde os temas internacionais são rotineiros e variados e o respeito aos povos é um princípio básico."

Ana Amélia disse ainda que assumiu, nesta quinta-feira, a presidência do Grupo Parlamentar Brasil-Reino da Arábia Saudita e que, no ano passado, integrou a comitiva do Ministério da Defesa em missão oficial no Líbano, além de ter feito uma visita oficial a Palestina. "Quaisquer avaliações diferentes dessas são, portanto, tentativas de má fé para inverter os fatos", afirmou a senadora.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.