Instituições mostram avanço tecnológico em SP

Começa esta noite, no Ginásio de Esportes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Cientec 2001, mostra de Ciência e Tecnologia, que será aberta pelo ministro Ronaldo Sardenberg. Na década de 70, a Unicamp desenvolveu a fibra ótica, que permitiu a transmissão de uma grande quantidade de informação ao mesmo tempo. A influência desta experiência e de outras desenvolvidas por 11 instituições de pesquisa, que atuam para melhorar a qualidade de vida, serão mostradas na Cientec.A Cientec terá fórum de debates, com mais de 250 especialistas em diversas áreas, bolsa de negócios e convênios, além de exposição de produtos tecnológicos. "O evento é uma experiência inédita", disse o coordenador-geral, José Tadeu Jorge. "Os visitantes, além de perceberem a influência da ciência e da tecnologia no cotidiano, poderão entrar em contato com as novidades que estarão no mercado em breve", acrescentou o coordenador.O robô bípede dotado de inteligência, que já consegue desviar de obstáculos, desenvolvido pela universidade e o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), promete chamar a atenção do público.Plantas transgênicas, do Instituto Biológico, ensaios de microscopia eletrônica do Laboratório Síncrotron, a evolução das telecomunicações no Brasil, segundo o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), estarão disponíveis também para a apreciação dos visitantes. Um sauveiro artificial e miniatura de uma microbacia hidrográfica, monitorada por satélite, também fazem parte da exposição.A mostra foi dividida em três temas: Vida e Saúde, Tecnologia e Meio Ambiente. Pesquisas nas áreas agrícolas, de alimentos funcionais e desenvolvimento genético de animais, feitas pelo Instituto de Zootecnia de Nova Odessa são outras novidades. "Poucos sabem que 90% das variedades de café que tomamos foram desenvolvidas no Instituto Agronômico de Campinas", disse Jorge.A mostra exigiu investimento de R$ 1 milhão e vai ocupar uma área de 20 mil metros quadrados. Boa parte do evento acontece do lado de fora do ginásio, como a exposição de produtos tecnológicos e a bolsa de negócios e convênios nacionais e internacionais. O fórum acontece em três centros de convenções, nos quais serão debatidos assuntos como transgênicos, regiões metropolitanas e energia elétrica. "Queremos provocar o debate para apontar soluções dos problemas", completou Jorge. A expectativa é de que o evento, que vai até 2 de setembro, atraia 80 mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.