Inquérito do STF contra senador também continua

No Supremo, corre investigação sobre corrupção, uso de notas frias e enriquecimento ilícito

Fausto Macedo, Sonia Filgueiras e Vannildo Mendes, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2013 | 00h00

Absolvido no Senado, o presidente da Casa, Renan Calheiros, fica livre, por enquanto, da ação de natureza política - mas sua situação nada muda na apuração criminal. Ele ainda é alvo do inquérito policial 2.593, que o Supremo Tribunal Federal (STF) instaurou em 6 de agosto, a pedido da Procuradoria-Geral da República."São poderes independentes. O que tramita pelo Senado é o julgamento político, que não interfere na esfera judicial", observou Walter Nunes, presidente da Associação dos Juízes Federais. O juiz exemplifica com o caso do ex-presidente Fernando Collor (1990-1992), que sofreu impeachment no Congresso mas acabou absolvido pelo STF, por insuficiência de provas.Por solicitação do procurador-geral, Antonio Fernando de Souza, foi incluído no inquérito contra Renan o laudo da Polícia Federal feito a pedido do Conselho de Ética do Senado. Trata-se da documentação apresentada para comprovar a origem de seus rendimentos. A PF achou inconsistências e incompatibilidades.Se tivesse sido cassado, Renan perderia automaticamente o privilégio de foro perante o Supremo. Nesse caso, os autos do inquérito que o investiga por suposto enriquecimento ilícito, corrupção e uso de notas fiscais frias para provar disponibilidade de recursos para pagamento de despesas pessoais seriam remetidos ao primeiro grau da Justiça Federal.Tal caminho só não seria adotado - mesmo com Renan sem mandato -, se a investigação contra ele apontasse para outro envolvido que contasse com a prerrogativa de foro. Foi o que ocorreu no mensalão: cassado, o ex-deputado e ex-ministro José Dirceu continuou réu no STF, uma vez que outros acusados têm o benefício por ocupar cargos públicos.Janice Ascari, procuradora regional em São Paulo, destaca que, com a absolvição política, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, permanece sendo a única autoridade com legitimidade para investigar o senador perante o STF. O ministro Ricardo Lewandowski é o relator do inquérito. A ele caberá decidir os próximos passos.O ministro decretou segredo de Justiça no inquérito, mas autorizou, assim que mandou instalar o processo, a quebra do sigilo de Renan. O relator deferiu integralmente as diligências requeridas, dando até mesmo acesso aos dados fiscais e bancários do senador a partir de 2000. O primeiro objetivo do inquérito é investigar a origem do dinheiro pago por Renan a título de pensão para a filha que teve com a jornalista Mônica Veloso.Na fase seguinte da apuração, o procurador-geral vai avaliar se houve ou não a prática de algum delito por parte do presidente do Senado. Se o chefe do Ministério Público Federal (MPF)se convencer disso, poderá pedir ação penal contra Renan, mediante oferecimento de uma denúncia, que poderá ou não ser recebida pelo STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.