Inocêncio diz a FHC que culpa é só de Arruda

O líder do PFL na Câmara, Inocêncio Oliveira, disse ao sair do Palácio da Alvorada, que o presidente Fernando Henrique Cardoso demonstrou expectativa com o depoimento de amanhã do senador Antônio Carlos Magalhães, no Conselho de Ética do Senado. Inocêncio disse que informou ao presidente que a ordem para a violação do painel eletrônico de votação do Senado partiu do senador José Roberto Arruda, e não do senador do PFL. "Eu não acuso ninguém que está caindo. Eu não chuto coisas que estão no chão. Mas quem tinha interesse era o Arruda, porque era uma questão do Distrito Federal", afirmou Inocêncio aos jornalistas, referindo-se à disputa para a sucessão do governo do DF, entre José Roberto Arruda e o senador cassado, Luiz Estevão. "Eu gosto do Arruda. Ele foi um bom líder, foi um bom senador, mas pisou na bola de um jeito que não tem outro caminho?, comentou Inocêncio Oliveira, sinalizando que apóia a cassação do mandato de Arruda. Ao reafirmar que não vai interferir na crise do Senado, gerada pela violação do painel eletrônico de votação, o presidente Fernando Henrique Cardoso, segundo relato do líder do PFL, Inocêncio Oliveira, defendeu que o Senado deve resolver o problema o mais rápido possível, e trabalhar em sintonia com a sociedade. "O mundo mudou, a sociedade avançou mais do que a classe política e o político que não trabalhar em consonância com a sociedade terá dificuldades", teria dito o presidente, segundo Inocêncio. Em conversa com os jornalistas, ao sair do encontro com o presidente, no Palácio da Alvorada, Inocêncio Oliveira admitiu que o senador Antônio Carlos Magalhães recebeu a lista dos votos dos senadores. O líder disse, no entanto, que se fosse ele o presidente do Senado, jamais teria recebido um documento como esse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.